fbpx

Para evitar inflar manifestações, Maia e Alcolumbre evitam atacar Bolsonaro

Jornal paulistano aponta que as reações até o momento foram consideradas demasiadamente pacíficas por aliados e líderes partidários, que temem grande reação por parte da população contra o Legislativo
Presidente do Senado, Davi Alcolumbre (Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil)

As manifestações programadas para o dia 15 de março podem reunir, na expectativa de ativistas que defendem o presidente Jair Bolsonaro, a maior quantidade de pessoas desde os atos de 2015 a favor do impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff. Para não inflar ainda mais os atos, as reações de Rodrigo MaiaDavi Alcolumbre podem ter sido calculadamente mais comedidas do que realmente desejavam, apontou o jornal Folha de S. Paulo neste sábado (29).

[wp_ad_camp_1]

A publicação afirma que “a cúpula do Congresso decidiu evitar um embate público com o presidente Jair Bolsonaro”, embora o gesto “contrarie” a vontade dos líderes partidários.

Há a compreensão, não imotivada, que os atos deverão concentrar em grandes críticas ao centrão fisiológico e, pessoalmente, na figura dos presidentes das Câmara e do Senado. Um dos vídeos que circulam na internet faz questão intitular Alcolumbre de “Batoré” e Rodrigo Maia de “Botafogo” – nome em que, supostamente, era identificado nas planilhas de corrupção da Odebrecht.

Por trás das principais críticas, está a disputa sobre o maior controle do orçamento que pode retirar mais de R$ 10 bilhões das mãos dos ministros, prejudicando o poder de investimento do governo Bolsonaro.

[wp_ad_camp_3]

Compartilhe essa notícia:

Assine o Boletim da Liberdade e tenha acesso, entre outros, às edições semanais da coluna panorama

plugins premium WordPress
Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
Are you sure want to unlock this post?
Unlock left : 0
Are you sure want to cancel subscription?