fbpx
PUBLICIDADE

Declaração de Guedes sobre real desvalorizado gera crítica de liberais

Ministro da Economia havia sustentado que é melhor um cenário com juros mais baixo e câmbio mais elevado e que essa política evita a desindustrialização do Brasil
Foto: (Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil)
Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil
PUBLICIDADE

A declaração do ministro da Economia, Paulo Guedes, nesta quarta-feira (12) sobre não se importar com a desvalorização do real gerou críticas entre liberais nas redes sociais e ajudou a reduzir ainda mais o valor da moeda frente ao dólar no início desta quinta (13). [1]

PUBLICIDADE

Guedes havia afirmado que “o câmbio brasileiro não está nervoso” e que o modelo, agora, não funciona mais com “juro na lua e câmbio baixo, desindustrializando o Brasil”.

Segundo Guedes, o câmbio mais alto com juros mais baixos ajudam a “todo mundo investir e consumir mais”, além de ser “positivo” para aumentar as exportações. Ele também ponderou que prefere o real a R$ 4 com o juros a 4% do que ampliar o juros e ter a moeda mais valorizada. [2]

PUBLICIDADE

Nas redes sociais, Paulo Ghedini, conselheiro do Instituto Mises Brasil, fez questão de compartilhar um conjunto de artigos da organização para refutar a tese das vantagens do câmbio desvalorizado. Um deles, de autoria de Leandro Roque e publicado em 2015, esclarece que a desvalorização da moeda gera aumento de preçosdesestímulo aos investimentos e justamente desindustrialização. [3]

“Segundo os economistas desenvolvimentistas, a desvalorização do câmbio é o segredo para impulsionar a indústria e o setor exportador brasileiro. Ao se desvalorizar o câmbio, dizem eles, as exportações são estimuladas e, liderada por um aumento nas exportações, a indústria volta a produzir e, por conseguinte, toda a economia volta a crescer. O primeiro grande problema é que, no mundo globalizado em que vivemos, vários exportadores são também grandes importadores”, diz o texto. [4]

Presidente do IMB, Helio Beltrão ressaltou que, para ele, “Ministro da Economia não deve falar de câmbio”. “Quem lida com com câmbio é o BC [Banco Central]. Esta é a política de todo país organizado. Se o ministro fala de câmbio, mexe mercados e levanta dúvidas perigosas sobre a autonomia do BC”, destacou. [5]

Beltrão também ironizou a declaração do ministro de que “câmbio um pouco mais alto é bom pra todo mundo”. “Menos para o consumidor, para o poupador, para o trabalhador, para o importador. Faltou algum brasileiro nesta minha lista?”, perguntou Helio.

PUBLICIDADE

Compartilhe essa notícia:




O Boletim da Liberdade tem um propósito: reportar diariamente fatos sobre a liberdade no Brasil e no mundo…

mas nós precisamos da sua ajuda para continuar esse trabalho.

➡ Se você consome e aprecia nosso conteúdo, considere fazer uma assinatura. Com a sua contribuição mensal, você ajuda a manter o site no ar (os custos são realmente altos) e ainda possibilita o nosso crescimento. Além disso, recebe benefícios exclusivos. Temos vários projetos na mesa que só serão viabilizados com maior quantidade de assinantes. Saiba mais e assine agora mesmo.

➡ Siga e interaja em nossas redes sociais (Facebook, Twitter e Instagram), inscreva-se em nossa newsletter gratuita semanal e entre em nosso grupo do WhatsApp para recebimento de conteúdos.

Colunas mais recentes

Assine o Boletim da Liberdade e receba todas as segundas-feiras a coluna Panorama