fbpx
PUBLICIDADE

Declaração de Guedes sobre real desvalorizado gera crítica de liberais

Ministro da Economia havia sustentado que é melhor um cenário com juros mais baixo e câmbio mais elevado e que essa política evita a desindustrialização do Brasil
Foto: (Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil)
Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil
PUBLICIDADE

A declaração do ministro da Economia, Paulo Guedes, nesta quarta-feira (12) sobre não se importar com a desvalorização do real gerou críticas entre liberais nas redes sociais e ajudou a reduzir ainda mais o valor da moeda frente ao dólar no início desta quinta (13). [1]

PUBLICIDADE

Guedes havia afirmado que “o câmbio brasileiro não está nervoso” e que o modelo, agora, não funciona mais com “juro na lua e câmbio baixo, desindustrializando o Brasil”.

Segundo Guedes, o câmbio mais alto com juros mais baixos ajudam a “todo mundo investir e consumir mais”, além de ser “positivo” para aumentar as exportações. Ele também ponderou que prefere o real a R$ 4 com o juros a 4% do que ampliar o juros e ter a moeda mais valorizada. [2]

PUBLICIDADE

Leia também:  Presidida por deputado do NOVO, frente critica furo do teto de gastos

Nas redes sociais, Paulo Ghedini, conselheiro do Instituto Mises Brasil, fez questão de compartilhar um conjunto de artigos da organização para refutar a tese das vantagens do câmbio desvalorizado. Um deles, de autoria de Leandro Roque e publicado em 2015, esclarece que a desvalorização da moeda gera aumento de preçosdesestímulo aos investimentos e justamente desindustrialização. [3]

“Segundo os economistas desenvolvimentistas, a desvalorização do câmbio é o segredo para impulsionar a indústria e o setor exportador brasileiro. Ao se desvalorizar o câmbio, dizem eles, as exportações são estimuladas e, liderada por um aumento nas exportações, a indústria volta a produzir e, por conseguinte, toda a economia volta a crescer. O primeiro grande problema é que, no mundo globalizado em que vivemos, vários exportadores são também grandes importadores”, diz o texto. [4]

Leia também:  Guedes vai à Câmara se explicar sobre offshore, mas nega detalhar patrimônio a deputados

Presidente do IMB, Helio Beltrão ressaltou que, para ele, “Ministro da Economia não deve falar de câmbio”. “Quem lida com com câmbio é o BC [Banco Central]. Esta é a política de todo país organizado. Se o ministro fala de câmbio, mexe mercados e levanta dúvidas perigosas sobre a autonomia do BC”, destacou. [5]

Beltrão também ironizou a declaração do ministro de que “câmbio um pouco mais alto é bom pra todo mundo”. “Menos para o consumidor, para o poupador, para o trabalhador, para o importador. Faltou algum brasileiro nesta minha lista?”, perguntou Helio.

Compartilhe essa notícia:

Leu até aqui? Siga nas redes!

MARCAS APOIADORAS

Podcast

O Boletim da Liberdade tem um propósito: reportar diariamente fatos sobre a liberdade no Brasil e no mundo…

mas nós precisamos da sua ajuda para continuar esse trabalho.

Se você consome e aprecia nosso conteúdo, considere fazer uma assinatura. Com a sua contribuição mensal, você ajuda a manter o site no ar (os custos são realmente altos) e ainda possibilita o nosso crescimento. Além disso, recebe benefícios exclusivos. Temos vários projetos na mesa que só serão viabilizados com maior quantidade de assinantes. Saiba mais e assine agora mesmo.

Colunas mais recentes

Assine o Boletim da Liberdade e receba todas as segundas-feiras a coluna Panorama

Are you sure want to unlock this post?
Unlock left : 0
Você tem certeza que deseja cancelar sua assinatura?