fbpx
PUBLICIDADE


Ministério da Economia rebate críticas após comentários de Paulo Guedes sobre funcionalismo público

O ministro havia dito que benesses obtidas por funcionários públicos os transformaram em parasitas, mas afirmou que sua fala foi retirada de contexto pela imprensa

- Publicado no dia
Paulo Guedes (Foto: Andre Valentim / Veja)

Ao comentar a reforma administrativa na manhã desta sexta-feira (7) em um seminário promovido pela Fundação Getúlio Vargas, o ministro da Economia Paulo Guedes fez uma alegação sobre funcionários públicos que atraiu críticas até de alguns apoiadores da proposta. O Ministério da Economia se manifestou em nota sobre o caso. [1] [2] [3]

De acordo com o comentário do ministro, o funcionalismo público é responsável pelo gasto de 90% da receita do governo brasileiro, o que torna a reforma ainda mais necessária. “O funcionalismo teve aumento de 50% acima da inflação, tem estabilidade de emprego, tem aposentadoria generosa, tem tudo. O hospedeiro está morrendo. O cara (o funcionário) virou um parasita e o dinheiro não está chegando no povo”, argumentou.


PUBLICIDADE



O problema é que muitos não gostaram da associação da figura do funcionário público a um parasita. O presidente do partido Republicanos, Marcos Pereira, disse que apoia a reforma administrativa, “mas o ministro Paulo Guedes não pode chamar todos os servidores públicos de parasitas”. O Ministério da Economia lamentou em sua nota que a declaração de Guedes tenha sido, na avaliação do ministro, retirada de contexto pela imprensa.

Segundo a nota do Ministério, Paulo Guedes, “após reconhecer a elevada qualidade do quadro de servidores”, analisou “situações específicas de estados e municípios que têm o orçamento comprometido com a folha de pagamento”, defendendo a correção de distorções sem ferir direitos constitucionais dos atuais servidores. A nota diz ainda que a imprensa desviou o foco da necessidade de “transformar o Estado brasileiro para prestar melhores serviços”.

+ ÚLTIMAS VAGAS: Curso de Introdução de Liberalismo abre vagas para a primeira turma por tempo limitado

★ ★ ★

Se você acompanha e aprecia o trabalho jornalístico do Boletim da Liberdade, e valoriza a importância de existir um veículo profissional com viés liberal, pedimos que:

➡ Considere fazer uma assinatura solidária ao Boletim. Com uma contribuição mensal, você ajuda que o site continue no ar e possibilita o nosso crescimento. Além disso, recebe benefícios exclusivos. Temos vários projetos na mesa que só serão viabilizados com maior quantidade de assinantes. Saiba mais e assine agora mesmo.

➡ Siga nossas redes sociais (Facebook, Twitter e Instagram), inscreva-se em nossa newsletter gratuita semanal e entre em nosso grupo do WhatsApp para recebimento de conteúdos. Curta nossas publicações, compartilhe-as para seus amigos e fale do site para conhecidos e familiares liberais. Toda ajuda faz diferença.

Curta nossa página no Facebook

Notícias no WhatsApp
O Boletim da Liberdade abriu mais um grupo no WhatsApp para recebimento de conteúdos especiais. Mas entre logo: é por tempo limitado. Participe apenas caso tenha interesse em notícias sobre política e economia com um viés liberal. Clique aqui para entrar.
Siga-nos no Twitter

Comentários


Receba nosso conteúdo por e-mail



PUBLICIDADE
error: Não é permitida a reprodução do conteúdo sem prévia autorização.