fbpx
PUBLICIDADE

Deputados da Venezuela se reúnem e reelegem Guaidó em votação paralela

Juan Guaidó afirmou ter obtido mais de 100 votos favoráveis em reunião que teria contado com a maioria dos deputados; secretário de estado norte-americano, Mike Pompeo, parabenizou reeleição
Foto: Reprodução/Twitter
Foto: Reprodução/Twitter
PUBLICIDADE

A conturbada votação na Assembleia Nacional da Venezuela, que teve, em um primeiro momento, confirmada a eleição de Luiz Parra, apoiado pelo chavismo, como novo presidente, ganhou um novo capítulo. Um amplo grupo de parlamentares que não conseguiu acessar o prédio da Assembleia neste domingo (5) para participar da votação formal reuniu-se no anfiteatro de um jornal e reelegeu, informalmente, Juan Guaidó como presidente da Casa. [1][2]

PUBLICIDADE

No Twitter, Guaidó afirmou que foi eleito com “100 votos a favor” e com uma sessão com a maioria dos deputados e que na próxima terça-feira (7) a votação serão formalizada com o acesso ao Palácio Federal do Legislativo.

“Há um ano, a ditadura jamais imaginou que hoje estaríamos em uma situação tão comprometida como esta. Por isso, hoje tentou fechar o Parlamento. Esse caminho não está funcionando e nem funcionará. A Venezuela está bem representada”, escreveu. [3]

PUBLICIDADE

O político venezuelano, que se autodeclarou presidente interino da Venezuela e conta com o reconhecimento de, entre outros países, Brasil e Estados Unidos, lamentou ainda o “show da ditadura para tentar impedir o inevitável”. “Apesar de perseguir e encastelar, não conseguiram derrubar o espírito de luta dos deputados e de toda a Venezuela”.

O secretário de estado dos Estados Unidos, Mike Pompeo, parabenizou Guaidó por sua reeleição e criticou o modo como o prédio da Assembleia Nacional foi cercado para prejudicar a votação. Os norte-americanos também confirmaram que Guaidó segue reconhecido como presidente interino do país. [4][5]

Foto: Reprodução/Twitter

Tom do discurso

No discurso de posse após reeleito, Guaidó chamou a Venezuela para a união. “Todos os venezuelanos devemos exercer pressão para termos resultado e realizações em nosso país em 2020”, disse.

Guaidó também afirmou que pediu ao partido do qual era filiado a sua desfiliação para ser um “cidadão independente” e “atender a cada um dos setores do país com as necessidades de nossa gente”.

Compartilhe essa notícia:

Leu até aqui? Siga nas redes!

MARCAS APOIADORAS

Podcast

O Boletim da Liberdade tem um propósito: reportar diariamente fatos sobre a liberdade no Brasil e no mundo…

mas nós precisamos da sua ajuda para continuar esse trabalho.

Se você consome e aprecia nosso conteúdo, considere fazer uma assinatura. Com a sua contribuição mensal, você ajuda a manter o site no ar (os custos são realmente altos) e ainda possibilita o nosso crescimento. Além disso, recebe benefícios exclusivos. Temos vários projetos na mesa que só serão viabilizados com maior quantidade de assinantes. Saiba mais e assine agora mesmo.

Colunas mais recentes

Assine o Boletim da Liberdade e receba todas as segundas-feiras a coluna Panorama

Are you sure want to unlock this post?
Unlock left : 0
Você tem certeza que deseja cancelar sua assinatura?