fbpx
PUBLICIDADE


Brasil não reconhece presidente autoproclamado da Assembleia Nacional da Venezuela

O novo presidente da Assembleia é chavista e se apropriou do cargo em dia agitado, com impedimento da entrada de oposicionistas no Parlamento

- Publicado no dia
Luiz Parra se autoproclamando presidente da Assembleia (Foto: Manaure Quintero/Reuters)

A Assembleia Nacional venezuelana viveu um dia de agitação neste domingo (5), quando ocorreu a eleição para a diretoria da casa. O ministro de Relações Exteriores do Brasil, Ernesto Araújo, se manifestou através de seu Twitter afirmando que o país não reconhecerá o resultado. [1]

A tensão começou quando o líder oposicionista Juan Guaidó pretendeu tentar a reeleição como presidente da Assembleia. A Polícia Nacional Bolivariana da Venezuela impediu que ele e outros parlamentares de oposição entrassem no recinto, alijando-os da votação. “Caso ainda haja dúvidas de que a Venezuela seja uma ditadura: militares tentam impedir que os deputados cumpram seu dever de defender os venezuelanos”, publicou Guaidó.


PUBLICIDADE



Guaidó fez uma tentativa de pular a grade do Palácio Federal Legislativo, sem sucesso. Enquanto isso, o deputado Luiz Parra, apoiador do regime de Nicolás Maduro e do chavismo, se autoproclamou presidente da Assembleia, em sessão que a oposição denuncia ter ocorrido sem votos e quórum suficientes. Guaidó define o que aconteceu como um “assassinato da República” e um “golpe no Parlamento”. [2] [3] 

Em sua publicação no Twitter, Ernesto Araújo afirmou: “Em Caracas hoje, Maduro tenta impedir, à força, votação legítima na Assembleia Nacional e reeleição de Juan Guaidó para a presidência da Assembleia Nacional e do governo interino, crucial para a redemocratização do país. Brasil não reconhecerá qualquer resultado dessa violência e afronta à democracia”. Confira:

 

★ ★ ★

Se você acompanha e aprecia o trabalho jornalístico do Boletim da Liberdade, e valoriza a importância de existir um veículo profissional com viés liberal, pedimos que:

➡ Considere fazer uma assinatura solidária ao Boletim. Com uma contribuição mensal, você ajuda que o site continue no ar e possibilita o nosso crescimento. Além disso, recebe benefícios exclusivos. Temos vários projetos na mesa que só serão viabilizados com maior quantidade de assinantes. Saiba mais e assine agora mesmo.

➡ Siga nossas redes sociais (Facebook, Twitter e Instagram), inscreva-se em nossa newsletter gratuita semanal e entre em nosso grupo do WhatsApp para recebimento de conteúdos. Curta nossas publicações, compartilhe-as para seus amigos e fale do site para conhecidos e familiares liberais. Toda ajuda faz diferença.

Curta nossa página no Facebook

Notícias no WhatsApp
O sexto grupo do Boletim da Liberdade no WhatsApp está com vagas abertas. É por tempo limitado. Entre apenas caso tenha interesse em notícias sobre política e economia com um viés liberal. Clique aqui para entrar.
Siga-nos no Twitter

Comentários


Receba nosso conteúdo por e-mail



error: Não é permitida a reprodução do conteúdo sem prévia autorização.