fbpx
PUBLICIDADE


Irã promete vingança após bombardeio norte-americano matar líder militar

Líder supremo e presidente defenderam “vigança dura” contra ataque dos EUA que vitimou “arquiteto” das principais operações de inteligência nos últimos anos; americanos alegam preparação de novos atentados

- Publicado no dia
Foto: Reprodução/CNN

O ataque militar dos Estados Unidos que levou à morte do general iraniano Qassem Soleimani na noite desta quinta-feira (2) deve dar início a um novo ciclo e a uma nova escalada de hostilidades no Oriente Médio. No início desta sexta-feira (3), o líder do Irã, Ali Khamenei, e o presidente do país, Hassen Rouhani, defenderam que o país deve promover uma “vingança forte” em retaliação à baixa. [1]

Em comunicado, afirmaram que a “partida” do militar “para Deus não termina seu caminho ou sua missão” e que uma “vingança forte aguarda os criminosos que têm o sangue dele e o sangue dos outros mártires na noite passada em suas mãos”.


PUBLICIDADE



Qassem Soleimani era considerado o principal nome militar do Irã. Responsável pela guarda revolucionária do país, coordenava ações estratégicas, secretas e no exterior. Ele foi morto em um bombardeio localizado no aeroporto de Bagdá, no Iraque, dois dias após a embaixada norte-americana naquele país ser atacada. [2]

Em dezembro, as relações entre ambos os países em território iraquiano já haviam aumentado de hostilidade. Mais de 25 soldados ligados à uma milícia iraquiana pró-Irã haviam sido mortos após os Estados Unidos atribuírem a ela a culpa de um ataque anterior a uma base militar norte-americana, como informa o jornal britânico Financial Times.

Pentágono destacou que a ação contou com o endosso do presidente Donald Trump e que Soleimani “desenvolvia ativamente planos para atacar diplomatas e militares americanos no Iraque”. [3]

A publicação norte-americana The New York Times destaca que Suleimani “foi o arquiteto de quase todas as operações significativas da inteligência e das forças militares iranianas nas últimas duas décadas” e a sua morte “foi um golpe importante para o Irã em uma época de conflitos geopolíticos”. [4]

★ ★ ★

Se você acompanha e aprecia o trabalho jornalístico do Boletim da Liberdade, e valoriza a importância de existir um veículo profissional com viés liberal, pedimos que:

➡ Considere fazer uma assinatura solidária ao Boletim. Com uma contribuição mensal, você ajuda que o site continue no ar e possibilita o nosso crescimento. Além disso, recebe benefícios exclusivos. Temos vários projetos na mesa que só serão viabilizados com maior quantidade de assinantes. Saiba mais e assine agora mesmo.

➡ Siga nossas redes sociais (Facebook, Twitter e Instagram), inscreva-se em nossa newsletter gratuita semanal e entre em nosso grupo do WhatsApp para recebimento de conteúdos. Curta nossas publicações, compartilhe-as para seus amigos e fale do site para conhecidos e familiares liberais. Toda ajuda faz diferença.

Curta nossa página no Facebook

Notícias no WhatsApp
O sexto grupo do Boletim da Liberdade no WhatsApp está com vagas abertas. É por tempo limitado. Entre apenas caso tenha interesse em notícias sobre política e economia com um viés liberal. Clique aqui para entrar.
Siga-nos no Twitter

Comentários


Receba nosso conteúdo por e-mail



Leia também
error: Não é permitida a reprodução do conteúdo sem prévia autorização.