fbpx
PUBLICIDADE


Trump acusa Brasil de desvalorizar moeda para ‘tirar proveito’ dos exportadores americanos

Declaração no Twitter do presidente norte-americano surpreendeu brasileiros; questionado por jornalistas ao sair do Palácio da Alvorada, o presidente Jair Bolsonaro afirmou que se for o caso poderá ligar para Trump

- Publicado no dia
(Foto: Isac Nóbrega/PR )

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, anunciou nesta segunda-feira (2) em sua conta no Twitter que vai restaurar as tarifas do aço e alumínio brasileiros e argentinos. A medida, para Trump, seria uma reação americana a uma suposta desvalorização proposital das moedas locais desses dois países. [1]

“O Brasil e a Argentina têm liderado uma desvalorização maciça de suas moedas, o que não é bom para os nossos agricultores. Portanto, como efeito imediato, restaurarei as tarifas de todos os aços e alumínio enviados para os EUA a partir desses países”, avisou Trump.

Na sequência, o presidente norte-americano defendeu que o Federal Reserve (Banco Central dos Estados Unidos) aja para que os países “não aproveitem mais do nosso dólar forte” com mais desvalorização das moedas nacionais.

“Isso torna muito difícil para nossos fabricantes e agricultores exportar seus produtos de maneira justa”, reclamou.

Questionado por jornalistas sobre o assunto ao sair do Palácio da Alvorada ainda nesta manhã, o presidente Jair Bolsonaro prometeu conversar com o ministro da economia, Paulo Guedes, e até mesmo, se necessário, entrar em contato com o presidente Trump.

“Vou falar com o Guedes hoje. Alumínio? Vou falar com o Paulo Guedes agora. Vou conversar com o Paulo Guedes. Se for o caso, ligo para o Trump. Eu tenho um canal aberto com ele”, disse. [2]

Contexto

No final de agosto deste ano, os Estados Unidos flexibilizaram as importações destes produtos quando decidiu que companhias norte-americanas que negociarem aço do Brasil não precisariam pagar 25% a mais sobre o preço original desde que provem que há ausência de matéria-prima no mercado interno. O Brasil está entre os principais fornecedores de aço e ferro para os Estados Unidos.

Na última sexta-feira (29) a moeda norte-americana voltou a subir atingindo, em valores nominais (desconsiderando a inflação) o segundo maior nível desde a criação do real. O dólar comercial encerrou o dia vendido a R$ 4,241, com alta de R$ 0,025 (+0,58%).

Com informações da Agência Brasil (Adaptado)

★ ★ ★

Se você acompanha e aprecia o trabalho jornalístico do Boletim da Liberdade, e valoriza a importância de existir um veículo profissional com viés liberal, pedimos que:

➡ Considere fazer uma assinatura solidária ao Boletim. Com uma contribuição mensal, você ajuda que o site continue no ar e possibilita o nosso crescimento. Além disso, recebe benefícios exclusivos. Temos vários projetos na mesa que só serão viabilizados com maior quantidade de assinantes. Saiba mais e assine agora mesmo.

➡ Siga nossas redes sociais (Facebook, Twitter e Instagram), inscreva-se em nossa newsletter gratuita semanal e entre em nosso grupo do WhatsApp para recebimento de conteúdos. Curta nossas publicações, compartilhe-as para seus amigos e fale do site para conhecidos e familiares liberais. Toda ajuda faz diferença.

Curta nossa página no Facebook

Notícias no WhatsApp
O sexto grupo do Boletim da Liberdade no WhatsApp está com vagas abertas. É por tempo limitado. Entre apenas caso tenha interesse em notícias sobre política e economia com um viés liberal. Clique aqui para entrar.
Siga-nos no Twitter

Comentários


Receba nosso conteúdo por e-mail



Leia também
error: Não é permitida a reprodução do conteúdo sem prévia autorização.