fbpx
PUBLICIDADE


Congresso derruba veto presidencial do fundão que alertava ‘aumento de despesa’

Limite mínimo de 30% deixa de constar na legislação e, com isso, parlamentares ouvidos por jornal estimam que montante final pode ampliar total que será definido nas leis orçamentárias

- Publicado no dia
(Foto: Luis Macedo/Câmara dos Deputados)

O Congresso Nacional derrubou nesta quarta-feira (27) vetos presidenciais a alguns artigos da minirreforma política que previam, entre outras alterações, mudanças nas regras de definição do fundo eleitoral. Entre as modificações, está a supressão de um percentual mínimo de recursos ao fundão, então baseado em 30%. Com isso ficou estipulado que o valor será calculado com um vago “percentual do montante” das emendas impositivas estaduais. [1][2]

Segundo parlamentares ouvidos pelo site do jornal Valor Econômico, “sem as amarras do dispositivo, a negociação política determinará o tamanho do recurso”.

Ao vetar o artigo que previa a supressão do percentual mínimo, o Planalto argumentou que “ao retirar o limite de 30% atualmente vigente, [o Congresso] acaba por aumentar despesa pública, sem o cancelamento equivalente de outra despesa obrigatória e sem que esteja acompanhada de estimativa do seu impacto orçamentário e financeiro”. [3]

Os respectivos recursos serão definidos pelos parlamentares por meio da Lei Orçamentária. A título de comparação, em 2020, as emendas estaduais são estimadas em R$ 6 bilhões, enquanto que o fundo eleitoral proposto pelo governo chega a R$ 2,034 bilhões. [4]

O fundo eleitoral, como se sabe, é o montante de dinheiro público destinado a campanhas políticas para ajudar partidos políticos a financiarem suas candidaturas.

Outro lado

Em contato com o Boletim da Liberdade, a assessoria de comunicação da liderança do Partido Novo na Câmara esclareceu que a retirada do limite mínimo não é, por si só, ruim.

“O NOVO defende que o mínimo seja 0, por isso era importante derrubar essa limitação mínima de 30%, para possibilitar que esse valor seja reduzido”, diz o texto enviado.


Atualizado em 29/11 às 9h49min: visando dar maior clareza à justificativa do Palácio do Planalto, que usa a expressão “limite” para citar o percentual mínimo de 30%, mas que tratava-se do limite mínimo, não máximo, para investimento no fundo, o Boletim efetuou correções e complementações na matéria.

★ ★ ★

Se você acompanha e aprecia o trabalho jornalístico do Boletim da Liberdade, e valoriza a importância de existir um veículo profissional com viés liberal, pedimos que:

➡ Considere fazer uma assinatura solidária ao Boletim. Com uma contribuição mensal, você ajuda que o site continue no ar e possibilita o nosso crescimento. Além disso, recebe benefícios exclusivos. Temos vários projetos na mesa que só serão viabilizados com maior quantidade de assinantes. Saiba mais e assine agora mesmo.

➡ Siga nossas redes sociais (Facebook, Twitter e Instagram), inscreva-se em nossa newsletter gratuita semanal e entre em nosso grupo do WhatsApp para recebimento de conteúdos. Curta nossas publicações, compartilhe-as para seus amigos e fale do site para conhecidos e familiares liberais. Toda ajuda faz diferença.

Curta nossa página no Facebook

Notícias no WhatsApp
O sexto grupo do Boletim da Liberdade no WhatsApp está com vagas abertas. É por tempo limitado. Entre apenas caso tenha interesse em notícias sobre política e economia com um viés liberal. Clique aqui para entrar.
Siga-nos no Twitter

Comentários


Receba nosso conteúdo por e-mail



Leia também
error: Não é permitida a reprodução do conteúdo sem prévia autorização.