fbpx
PUBLICIDADE

Deputado do PSL convoca homenagem a ditador chileno na Alesp: ‘grande patriota’

O ato solene em tributo ao ditador Augusto Pinochet está agendado no site oficial da Alesp para o próximo dia 10, mas não há detalhes da cerimônia
Augusto Pinochet (Foto: Getty Images)
Augusto Pinochet (Foto: Getty Images)
PUBLICIDADE

O ditador chileno Augusto Pinochet, personagem central das discussões sobre os regimes militares latino-americanos das décadas de 60 a 80, deverá ser homenageado fora de seu país, bem aqui, no Brasil. Por iniciativa de um parlamentar do PSL, está marcado para o próximo dia 10 um ato solene na Assembleia Legislativa de São Paulo em tributo a ele.

PUBLICIDADE

O ato solene está marcado no site da Alesp para as 18h, no Auditório Paulo Kobayashi, e não há mais informações sobre a cerimônia. Um dos detalhes mais ressaltados nas reações que se alastraram pelas redes sociais foi o fato de que o pedido não exibe o nome completo do ditador, abreviando a palavra “Pinochet”. Com isso, seu nome aparece “Augusto P. Ugarte”, o que deixa a solicitação menos explícita.

Leia também:  Fusão do PSL com o DEM pode gerar novo partido com alcunha de 'liberal'

O deputado Frederico d’Avila (PSL-SP) defendeu sua iniciativa. Para ele, Augusto Pinochet foi um “grande patriota” que fez um governo “brilhante”: “O Presidente Augusto Pinochet conduziu seu Governo de forma brilhante, impedindo que o cenário ditatorial e violador de direitos humanos Cubano e Soviético da época se instalasse no seio da sociedade chilena. (…) Pinochet, em 17 anos do seu governo, transformou o Chile na economia mais pujante da América Latina”.

PUBLICIDADE


Quem foi Pinochet

Augusto Pinochet tomou o poder em 11 de setembro de 1973, quando deflagrou-se um golpe militar que derrubou o presidente socialista Salvador Allende. Através de um decreto-lei, Pinochet se garantiu na posição de presidente, que ocupou até 1990.

Leia também:  Fusão do PSL com o DEM pode gerar novo partido com alcunha de 'liberal'

Levanta-se contra seu regime a acusação de prender 80 mil pessoas, torturar outras 30 mil e matar mais de três mil. No entanto, Pinochet adotou uma política econômica comandado por jovens economistas liberais da Escola de Chicago e deixou o poder mediante um plebiscito, tornando-se senador vitalício por algum tempo.

Compartilhe essa notícia:

Leu até aqui? Siga nas redes!

MARCAS APOIADORAS

Podcast

O Boletim da Liberdade tem um propósito: reportar diariamente fatos sobre a liberdade no Brasil e no mundo…

mas nós precisamos da sua ajuda para continuar esse trabalho.

Se você consome e aprecia nosso conteúdo, considere fazer uma assinatura. Com a sua contribuição mensal, você ajuda a manter o site no ar (os custos são realmente altos) e ainda possibilita o nosso crescimento. Além disso, recebe benefícios exclusivos. Temos vários projetos na mesa que só serão viabilizados com maior quantidade de assinantes. Saiba mais e assine agora mesmo.

Colunas mais recentes

Assine o Boletim da Liberdade e receba todas as segundas-feiras a coluna Panorama

Are you sure want to unlock this post?
Unlock left : 0
Você tem certeza que deseja cancelar sua assinatura?