fbpx
PUBLICIDADE


Manifestar predileção à monarquia é conduta inapropriada a ministro, diz editorial do Estadão

Jornal também criticou declaração de Weintraub ao primeiro presidente da República, o marechal Deodoro da Fonseca; para a publicação, o ministro está ‘desinformado’

- Publicado no dia
Abraham Weintraub (Foto: Reprodução / Youtube)

O jornal O Estado de S. Paulo pediu em editorial publicado nesta terça-feira (19) que o ministro da Educação, Abraham Weintraub, seja “demitido imediatamente”. A tese sustentada pela publicação é que, além da “errática gestão”, Weintraub tem postura incompatível a de um ministro de Estado – inclusive ao “manifestar predileção pela monarquia”. [1]

“No feriado da República, Abraham Weintraub postou-se a defender a monarquia na rede social. A Constituição não o proíbe de ter a opinião que for sobre as formas de governo. Em se tratando de um ministro de Estado, no entanto, manifestar predileção pela monarquia é, no mínimo, uma conduta inapropriada”, disse o editorial.

Na sequência, o Estadão afirmou que o ministro foi “além” e que teria sido “acometido por algo próximo de um ‘surto antirrepublicano'” ao classificar “como ‘infâmia’ a proclamação de 15 de Novembro de 1889“. “[E depois] passou a desfiar uma série de aleivosias contra personagens da história brasileira ligadas ao movimento republicano”, acrescentou o texto.

“Abraham Weintraub achou por bem classificar o marechal Deodoro da Fonseca como um ‘traidor’ da Pátria e compará-lo ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Diante de uma estultice dessa natureza, na melhor hipótese, o ministro da Educação está absolutamente desinformado”, pontuou o editorial, que criticou ainda as respostas grosseiras que o ministro concedeu a internautas que sugeriram que, com a volta da monarquia, ele seria nomeado bobo da corte.

Outro lado

No início da tarde, Weintraub comentou nas suas redes sociais sobre o editorial. “Acho que eles deveriam se preocupar com as assinaturas que não param de cair”, ironizou. [2]

Líder do PSL na Câmara dos Deputados e filho do presidente, Eduardo Bolsonaro também se manifestou sobre o assunto nas redes e sugeriu que o jornal “deve estar com saudades dos magníficos ministros da educação anteriores”, citando na sequência um erro do ex-ministro Fernando Haddad que, certa vez, mencinou uma passagem bíblica que não existia. [3]

Histórico

Um dos jornais mais antigos do Brasil, o Estado de S. Paulo foi fundado ainda na época do Império, no ano de 1875, quando se chamava ainda A Província de São Paulo. Desde o início, antes mesmo do fim do Império, a publicação já tinha um posicionamento editorial a favor da República.

★ ★ ★

Se você acompanha e aprecia o trabalho jornalístico do Boletim da Liberdade, e valoriza a importância de existir um veículo profissional com viés liberal, pedimos que:

➡ Considere fazer uma assinatura solidária ao Boletim. Com uma contribuição mensal, você ajuda que o site continue no ar e possibilita o nosso crescimento. Além disso, recebe benefícios exclusivos. Temos vários projetos na mesa que só serão viabilizados com maior quantidade de assinantes. Saiba mais e assine agora mesmo.

➡ Siga nossas redes sociais (Facebook, Twitter e Instagram), inscreva-se em nossa newsletter gratuita semanal e entre em nosso grupo do WhatsApp para recebimento de conteúdos. Curta nossas publicações, compartilhe-as para seus amigos e fale do site para conhecidos e familiares liberais. Toda ajuda faz diferença.

Curta nossa página no Facebook

Notícias no WhatsApp
O sexto grupo do Boletim da Liberdade no WhatsApp está com vagas abertas. É por tempo limitado. Entre apenas caso tenha interesse em notícias sobre política e economia com um viés liberal. Clique aqui para entrar.
Siga-nos no Twitter

Comentários


Receba nosso conteúdo por e-mail



error: Não é permitida a reprodução do conteúdo sem prévia autorização.