fbpx
PUBLICIDADE


Cura do patrimonialismo pode ser pela primeira vez alcançada, defende assessor do presidente Bolsonaro

Filipe G. Martins destacou que o chefe foi eleito ‘sem firmar compromissos com os donos do poder’ e que os avanços não podem parar na ‘liberalização e a abertura da economia’

- Publicado no dia
(Foto: Reprodução/Visamos)

Assessor especial de relações internacionais e um dos principais nomes do entorno do presidente Jair Bolsonaro, Filipe G. Martins defendeu neste domingo (3) no Twitter que o momento atual “é a primeira vez que [o Brasil]  pode alcançar a cura do patrimonialismo”, considerado por ele “a mais grave das doenças nacionais”. [1]

Em uma sequência (“fio”) constituída por dez publicações, Martins sustentou que “no frágil capitalismo brasileiro, as grandes empresas de qualquer setor sempre, ou quase sempre, têm o Estado como seu principal sócio; como único cliente disposto a pagar o que cobram pelos serviços e produtos que oferecem”.

Segundo ele, esse vínculo gerou relações “marcadamente promíscuas” entre o “Estado e as grandes empresas”, citando setores como “telecomunicação, de jornalismo, de construção civil, serviços bancários etc”, o que impediria o Estado de funcionar como “máquina administrativa impessoal” para favorecer “interesses particulares”.

“Para reverter essa situação – na verdade, um problema estrutural e não meramente conjuntural -, é necessário adotar uma política anti-patrimonialista, o que equivale a dizer […] que se oponha ao aparato patrimonialista do poder dentro e fora do Estado”, escreveu.

Uma vez adotadas essas políticas, destacou Martins, elas não ocorreriam “sem afetar interesses particulares e provocar a reação dos seus defensores dentro do aparato estatal” e que, por isso, só poderiam ser bem-sucedido “com um amplo apoio popular, vindo de uma sociedade que só florescerá quando cumprir essa etapa de seu próprio processo de emancipação”.

“Em nenhum momento de nossa história, as condições foram tão favoráveis à realização desse enfrentamento e à superação da chaga patrimonialista quanto o atual, no qual o presidente foi eleito sem firmar compromissos com os donos do poder e está livre para fazer o que é necessário”, concluiu, dizendo ainda que apenas a “liberalização e a abertura da economia não basta”.

Foto: Reprodução/Twitter
★ ★ ★

Se você acompanha e aprecia o trabalho jornalístico do Boletim da Liberdade, e valoriza a importância de existir um veículo profissional com viés liberal, pedimos que:

➡ Considere fazer uma assinatura solidária ao Boletim. Com uma contribuição mensal, você ajuda que o site continue no ar e possibilita o nosso crescimento. Além disso, recebe benefícios exclusivos. Temos vários projetos na mesa que só serão viabilizados com maior quantidade de assinantes. Saiba mais e assine agora mesmo.

➡ Siga nossas redes sociais (Facebook, Twitter e Instagram), inscreva-se em nossa newsletter gratuita semanal e entre em nosso grupo do WhatsApp para recebimento de conteúdos. Curta nossas publicações, compartilhe-as para seus amigos e fale do site para conhecidos e familiares liberais. Toda ajuda faz diferença.

Curta nossa página no Facebook

Notícias no WhatsApp
O sexto grupo do Boletim da Liberdade no WhatsApp está com vagas abertas. É por tempo limitado. Entre apenas caso tenha interesse em notícias sobre política e economia com um viés liberal. Clique aqui para entrar.
Siga-nos no Twitter

Comentários


Receba nosso conteúdo por e-mail



error: Não é permitida a reprodução do conteúdo sem prévia autorização.