fbpx
PUBLICIDADE


OEA alerta em nota que Cuba e Venezuela agem para desestabilizar América Latina

Organização dos Estados Americanos, uma das mais importantes associações do hemisfério, alertou antes mesmo da eclosão das grandes manifestações no Chile o risco de influência internacional nos países

- Publicado no dia
Foto: Divulgação

Os crescentes protestos no Chile, que chegaram a reunir mais de 1 milhão de manifestantes em Santiago no último sábado (25), podem ser reflexos de uma manobra orquestrada pelas ditaduras da Venezuela e de Cuba. Ao menos é esse o tom de uma nota publicada no último dia 16 que, sem citar o Chile, a Secretaria Geral da Organização dos Estados Americanos (OEA) publicou em seu site oficial. [1][2]

Naquele texto, a OEA alertou que as havia “correntes de desestabilização nos sistemas políticos do continente que têm como origem a estratégia das ditaduras bolivariana [Venezuela] e cubana, que buscam novamente reposicionar-se” diante da queda de poder e influência.


PUBLICIDADE



No mesmo texto, a entidade afirmou que essa influência é uma “estratégia intencional e sistemática” para “desestabilizar democracias” por meio do “financiamento de movimentos políticos e sociais” visando “a exportação de polarização e más práticas”.

Menos de 15 dias depois, gigantescas manifestações populares surgiram no Chile, atualmente governado pela direita. Veículos de imprensa afirmam se tratar das maiores manifestações no país desde os anos 1990 e que já resultaram em 19 mortos. [3]

+ ÚLTIMAS VAGAS: Curso de Introdução de Liberalismo abre vagas para a primeira turma por tempo limitado

★ ★ ★

Se você acompanha e aprecia o trabalho jornalístico do Boletim da Liberdade, e valoriza a importância de existir um veículo profissional com viés liberal, pedimos que:

➡ Considere fazer uma assinatura solidária ao Boletim. Com uma contribuição mensal, você ajuda que o site continue no ar e possibilita o nosso crescimento. Além disso, recebe benefícios exclusivos. Temos vários projetos na mesa que só serão viabilizados com maior quantidade de assinantes. Saiba mais e assine agora mesmo.

➡ Siga nossas redes sociais (Facebook, Twitter e Instagram), inscreva-se em nossa newsletter gratuita semanal e entre em nosso grupo do WhatsApp para recebimento de conteúdos. Curta nossas publicações, compartilhe-as para seus amigos e fale do site para conhecidos e familiares liberais. Toda ajuda faz diferença.

Curta nossa página no Facebook

Notícias no WhatsApp
O Boletim da Liberdade abriu mais um grupo no WhatsApp para recebimento de conteúdos especiais. Mas entre logo: é por tempo limitado. Participe apenas caso tenha interesse em notícias sobre política e economia com um viés liberal. Clique aqui para entrar.
Siga-nos no Twitter

Comentários


Receba nosso conteúdo por e-mail



PUBLICIDADE
error: Não é permitida a reprodução do conteúdo sem prévia autorização.