fbpx

Ex-PGR, Janot abre o jogo sobre Lula, Dilma, Temer, Collor, Cunha e Bolsonaro

Ex-procurador-geral da República afirmou não ter dúvidas de que Lula, Temer e Collor são corruptos, afirmou que Cunha poderia ter sido eleito presidente da República com a força que tinha e disse que Dilma não roubou
Com visual diferente, Rodrigo Janot decidiu abrir o jogo sobre o que passou como Procurador-Geral da República (Foto: Cristiano Mariz)

Compartilhe

Com visual diferente, Rodrigo Janot decidiu abrir o jogo sobre o que passou como Procurador-Geral da República (Foto: Cristiano Mariz)

O ex-procurador geral da República Rodrigo Janot voltou aos holofotes nesta quinta-feira (26) após revelar que chegou a cogitar assassinar o ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal, após o magistrado ter sugerido irregularidades sobre a atuação de sua filha. Em entrevista à revista Veja, o ex-chefe do Ministério Público Federal compartilhou ainda opiniões sobre alguns dos principais personagens políticos do país com base na sua experiência de ter ter atuado no auge da Operação Lava-Jato. [1]

Lula

“É impossível que o Lula não fosse um dos chefes de todo esse esquema. Não tenho dúvida de que ele é corrupto.”

Dilma

“Não tenho nenhuma dúvida de que a Dilma não é corrupta. Mas ela tentou atrapalhar as investigações com a história de nomear o Lula como ministro da Casa Civil. A obstrução de Justiça aconteceu, tanto que eu a denunciei. Até agora não surgiu nenhuma prova que envolva a ex-presidente com corrupção.”

Leia também:  Ministra de Lula, Anielle Franco usa catástrofe no RS para pedir votos ao PT

Michel Temer

“Temer, sim, é corrupto. Corrupto filmado, fotografado e gravado. No caso da JBS, teve até malinha correndo em São Paulo por ação controlada autorizada pelo Judiciário. Não tem como esconder que aquilo existiu.”

[wp_ad_camp_1]

Fernando Collor

“A participação dele no esquema da Lava-Jato deixou muitas impressões digitais. Ele é um corrupto com certeza.”

Eduardo Cunha

“Se não fosse a Operação Lava-­Jato, talvez Eduardo Cunha fosse hoje presidente da República. Faço uma constatação de que o então presidente da Câmara, com a força extraordinária que tinha, com uma base de 150 a 170 deputados e com um sistema abastecendo-o de dinheiro de corrupção, teria grandes chances de ser eleito presidente.”

Leia também:  RS: civis e empresários locais se unem enquanto o Estado prefere Madonna

Jair Bolsonaro

“Eu não faço a avaliação de quem seria o melhor e de quem seria o pior, mas o Bolsonaro é um produto da queda do próprio Cunha.”

[wp_ad_camp_3]

Assine o Boletim da Liberdade e tenha acesso, entre outros, às edições semanais da coluna panorama

plugins premium WordPress
Are you sure want to unlock this post?
Unlock left : 0
Are you sure want to cancel subscription?