fbpx
PUBLICIDADE


Parte das FARC anuncia volta à guerrilha comunista após acordo de paz

Movimento é liderado pelo guerrilheiro Ivan Márquez e foi criticado pela ONU, por ex-número um das FARC e também pelo presidente da Colômbia, que vê interferência de Maduro no processo

- Publicado no dia
Antigos combatentes da FARC anunciam volta à guerrilha (Foto: Reprodução/YouTube)

As Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC) estão de volta. Ao menos foi essa a promessa feita por um dos seus líderes históricos em vídeo divulgado na noite desta quinta-feira (29) para terror da população colombiana. Ao lado de outros guerrilheiros, Ivan Márquez – que havia sido número dois da entidade no passado – afirmou que as forças “nunca foram vencidas ideologicamente” e que o acordo de paz, firmado em 2016, havia sido descumprido. [1]

O maior movimento de guerrilha organizada da América Latina havia baixado as armas em 2017 com a celebração de um amplo acerto com o governo colombiano que incluiu, entre outros pontos, anistia a crimes cometidos, cargos políticos aos líderes da guerrilha e até a transformação do grupo em um partido organizado, que recebeu a mesma sigla e outro nome (Força Alternativa Revolucionária do Comum – Partido FARC).


PUBLICIDADE



As FARC foram fundadas em 1964 e pretendiam um golpe de Estado para transformar a Colômbia em um país comunista. Até seu enfraquecimento final, a entidade executou e sequestrou milhares de colombianos e se envolveu com o narcotráfico. Se antes pretendia admiração da população, suas ações passaram a ser vistas como criminosas e extremamente rejeitadas pelas classes médias urbanas.

O movimento de Márquez, no entanto, não envolve – ainda – um regresso às forças de guerrilha de todos aqueles que aceitaram as vias de paz. Ex-número um da guerrilha, Rodrigo Londoño, também conhecido como Timochenko, atual presidente do Partido FARC, criticou a decisão de Márquez, seu ex-colega.

“A decisão que eles tomaram representa um grande erro. Há uma desconexão com a realidade que o país vive atualmente”, afirmou Londoño. Já o senador Carlos Antonio Lozada (Partido Farc) concorda que há “descumprimentos” no acerto, mas opinou à imprensa colombiana que “a via armada não tem mais cabimento” no país. A missão da ONU no país também rechaçou a decisão de Márquez.

Para o presidente da Colômbia, Iván Duque, no entanto, o regresso à luta armada não tem a ver com descumprimentos. Mas sim por influência direta do ditador venezuelano, Nicolás Maduro. [2]

“Os colombianos devem ter clareza que não estamos diante do nascimento de uma nova guerrilha, mas sim frente a uma ameaça criminosa de uma quadrilha de narcoterroristas que conta com o abrigo e o apoio da ditadura de Nicolás Maduro”, denunciou.

★ ★ ★

Nós criamos o Boletim da Liberdade porque acreditamos em um jornalismo sério, independente e de viés liberal. Você pode ajudar esse projeto.

Para que possamos manter e melhorar nossa missão de organizar, divulgar e apurar informações de interesse público, tornando-as acessíveis para todos, precisamos da sua ajuda. Se você é um entusiasta do Boletim, colabore fazendo uma assinatura. Com menos de R$ 10 ao mês, você ajuda a viabilizar um jornalismo mais plural e democrático no Brasil e tem acesso a conteúdos exclusivos.

Apoie a mídia independente: curta nossa página.


Comentários


Receba nosso conteúdo por e-mail



Leia também
error: Não é permitida a reprodução do conteúdo sem prévia autorização.