fbpx
PUBLICIDADE

Derrubada de veto presidencial a pena por divulgar acusações falsas causa polêmica

O deputado Kim Kataguiri (DEM-SP) foi favorável à derrubada do veto, justificando que ele está sendo distorcido; pelo lado do governo, Luiz Phillipe de Orléans (PSL-SP) lamentou o resultado
Sessão do Congresso apreciando vetos do presidente (Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil)
Sessão do Congresso apreciando vetos do presidente (Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil)
PUBLICIDADE

O Congresso brasileiro derrubou nesta quarta-feira (28) um veto do presidente Jair Bolsonaro à tipificação de crime de divulgação de acusações falsas a adversários com finalidades eleitorais. A medida foi definida por 326 votos a 84 na Câmara dos Deputados e 48 a 6 no Senado Federal.  [1]

PUBLICIDADE

O texto admitido pelos parlamentares determina que há crime quando o acusado divulgar, com finalidade eleitoral, ato ou fato atribuído falsamente a outro sabendo de sua inocência, acarretando a mesma pena de denúncia caluniosa com fins eleitorais (reclusão de dois a oito anos).

O presidente argumentou que a pena estabelecida viola o princípio da proporcionalidade, por atingir um patamar “muito superior” à pena de conduta semelhante já tipificada em outro artigo do Código Eleitoral, prevendo detenção de seis meses a dois anos. O presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP) anunciou a instalação, na semana que vem, de uma comissão parlamentar mista de inquérito para investigar “fake News”.

PUBLICIDADE

Leia também:  Moro se reúne com líderes de partidos antes de cerimônia de filiação

Reações

Deputados como Henrique Fontana (PT-RS) e Hildo Rocha (MDB-MA) saudaram a derrubada do veto, afirmando, respectivamente, que a medida corrige a democracia brasileira e que a sociedade a deseja. Já Daniel Coelho (Cidadania-PE) argumenta que seria preciso punir partidos e políticos, não o cidadão que compartilha os conteúdos, e a redação não está clara sobre esse aspecto.

Pelo lado do governo, Luiz Philippe de Orléans e Bragança (PSL-SP) lamentou: “É o fim da inocência nas redes sociais e o fim do auto ajuste das informações. Momento triste. Ao invés de fomentarem a confiança e a liberdade, restauraram a censura”.

O deputado Kim Kataguiri (DEM-SP), ligado ao MBL, foi contrário ao veto do presidente. Ele justificou que não existe nenhuma penalização para quem criticar políticos. O que o projeto penalizaria, na sua visão, seria exclusivamente a divulgação de denunciação caluniosa com fins eleitorais para autoridade policial ou judicial, não a mera divulgação de notícias.

PUBLICIDADE

Leia também:  Elon Musk se encontra com ministro de Bolsonaro sobre projeto no Brasil

Ele usou como exemplo uma hipótese em que ele próprio entraria oficialmente com uma denúncia contra um adversário acusando-o de roubo e iria à imprensa divulgar essa falsa informação. Esse seria o tipo de crime enquadrado no trecho vetado: “para existir o crime de denunciação caluniosa, não basta você falar. (…) Para realmente enquadrar nesse crime, eu preciso entrar com uma denúncia formalmente – e mais: com fim eleitoral”.

O que exatamente o texto diz

O projeto alterava a lei do Código Eleitoral, determinando que é crime com pena de dois a oito anos de reclusão “dar causa à instauração de investigação policial, de processo judicial, de investigação administrativa, de inquérito civil ou ação de improbidade administrativa, atribuindo a alguém a prática de crime ou ato infracional de que o sabe inocente, com finalidade eleitoral”.

Leia também:  Bolsonaro promete ENEM com 'a cara do governo'

O inciso 3, vetado por Bolsonaro e cujo veto foi agora retirado, versa: “Incorrerá nas mesmas penas deste artigo quem, comprovadamente ciente da inocência do denunciado e com finalidade eleitoral, divulga ou propala, por qualquer meio ou forma, o ato ou fato que lhe foi falsamente atribuído”.

PUBLICIDADE

Compartilhe essa notícia:

Leu até aqui? Siga nas redes!

MARCAS APOIADORAS

Podcast

O Boletim da Liberdade tem um propósito: reportar diariamente fatos sobre a liberdade no Brasil e no mundo…

mas nós precisamos da sua ajuda para continuar esse trabalho.

Se você consome e aprecia nosso conteúdo, considere fazer uma assinatura. Com a sua contribuição mensal, você ajuda a manter o site no ar (os custos são realmente altos) e ainda possibilita o nosso crescimento. Além disso, recebe benefícios exclusivos. Temos vários projetos na mesa que só serão viabilizados com maior quantidade de assinantes. Saiba mais e assine agora mesmo.

Colunas mais recentes

Assine o Boletim da Liberdade e receba todas as segundas-feiras a coluna Panorama

Are you sure want to unlock this post?
Unlock left : 0
Você tem certeza que deseja cancelar sua assinatura?