fbpx
PUBLICIDADE


Parlamentares criticam aprovação de projeto de abuso de autoridade

Deputados do Partido Novo e do PSL não apreciaram a atitude do presidente da Câmara de determinar que a votação não seria nominal

- Publicado no dia
Plenário do Senado em abril de 2017 discutindo o projeto de abuso de autoridade aprovado nesta quarta (Foto: Antonio Cruz/Agência Brasil)

A Câmara dos Deputados aprovou nesta quarta-feira (14) um projeto de lei enviado originalmente pelo Senado em 2017, estabelecendo novas regras para punição de crime de abuso de autoridade. A votação simbólica, sem a contagem dos votos individuais dos deputados, é vista como um movimento de setores da classe política para reagir aos avanços da Operação Lava Jato e foi muito criticada. [1]

O texto-base, de autoria do senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), ainda precisa ter seus destaques votados, mas ele estabelece basicamente que há crime quando um agente público prende alguém em clara desconformidade com as leis ou trata o detento com violência, grave ameaça ou redução de sua capacidade de resistência. O documento também discorre sobre o crime de fotografar ou filmar alguém investigado, preso ou vítima para fins de constrangimento.

O projeto aprovado, que segue diretamente para a sanção presidencial se não sofrer nenhuma alteração, ainda ataca a prática de algemar presos quando não há resistência à prisão, ameaça de fuga ou risco à integridade física de algum dos envolvidos, o que gerou muitas apreciações negativas de parlamentares. Criminaliza também o ato de “constranger a depor, sob ameaça de prisão, pessoa que, em razão de função, ministério, ofício ou profissão, deva guardar segredo ou resguardar sigilo”, estabelecendo penas para todos esses abusos tipificados.


PUBLICIDADE



Reações

Houve reações críticas ao projeto e ao modo por que foi aprovado por parte de setores do Judiciário, alguns parlamentares do governo e do Partido Novo. Por parte do Judiciário, a Associação Brasileira de Magistrados alegou que o texto precisa ser melhorado para “o bem da democracia”, a fim de não ser uma forma de intimidação da independência do Poder Judiciário.

Luiz Philippe de Orleans e Bragança (PSL/SP) acusou o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, de não se conduzir “de uma maneira efetiva na condução do regimento, com a violação franca e aberta do regimento” para impedir a votação nominal. Ele afirmou ainda que os parlamentares do governo erraram por não terem avançado com o projeto anticrimes do ministro Sérgio Moro e “limpado os corruptos” mais cedo. [2]

Já o Partido Novo foi o que demonstrou a reação mais imediata e conjunta. A sigla se manifestou oficialmente, depois de sua bancada inteira votar contrariamente ao projeto, justificando que a votação deveria ser nominal e o tema “não pode ser votado sem as devidas discussões”. Já o líder do partido na Câmara, Marcel van Hattem (NOVO/RS), disse estar “muito triste” com o resultado.

“O PSL podia ter pedido a votação nominal, não pediu, porque isso obviamente fazia parte do acordo para aprovar rápido. Isso foi triste também”, lamentou Van Hattem, enxergando o gesto como um movimento ruim do governo e externando seu desejo de que o presidente Jair Bolsonaro vete o projeto.

★ ★ ★

Nós criamos o Boletim da Liberdade porque acreditamos em um jornalismo sério, independente e de viés liberal. Você pode ajudar esse projeto.

Para que possamos manter e melhorar nossa missão de organizar, divulgar e apurar informações de interesse público, tornando-as acessíveis para todos, precisamos da sua ajuda. Se você é um entusiasta do Boletim, colabore fazendo uma assinatura. Com menos de R$ 10 ao mês, você ajuda a viabilizar um jornalismo mais plural e democrático no Brasil e tem acesso a conteúdos exclusivos.

Apoie a mídia independente: curta nossa página.


Comentários


Receba nosso conteúdo por e-mail



Leia também
error: Não é permitida a reprodução do conteúdo sem prévia autorização.