fbpx
PUBLICIDADE


OTAN diz que Rússia ‘é a única responsável’ pelo fim de tratado de mísseis de 1987

Para a principal aliança militar dos países ocidentais, o desenvolvimento e proliferação do míssil de cruzeiro russo Novator 9M729 é uma violação aos termos do tratado assinado em 1987 entre EUA e URSS

- Publicado no dia
Míssil de cruzeiro russo Novator 9M729 tem, para a OTAN, características que violam o tratado firmado em 1987 (Foto: Task & Purpose)

A OTAN, principal aliança militar do Ocidente da qual participam nações como Estados Unidos, Inglaterra e França, afirmou em nota que o término do Tratado de Eliminação de Mísseis de Curto e Médio Alcance se deu em decorrência do comportamento da Rússia. Na última sexta-feira (2), os Estados Unidos anunciaram formalmente a saída do acordo. [1]

Assinado em 1987, ainda com a existência da União Soviética e entre os presidentes Ronald Reagan e Mikhail Gorbatchov, o pacto previa a proibição de alguns tipos de mísseis terrestres no continente europeu. A OTAN considera que a Rússia feriu o acordo ao desenvolver o modelo Novator 9M729, que tem capacidade nuclear. [2]


PUBLICIDADE



Como reação, a aliança militar do Atlântico Norte anunciou que deve haver aumento de exercícios militares envolvendo potências ocidentais e a ampliação do índice de voos pela Europa com jatos de guerra capazes de atuar em cenários de guerra nuclear.

A saída norte-americana do tratado, no entanto, está longe de ser uma novidade. O movimento já havia sido ameaçado no início do ano caso a Rússia não “mostrasse que iria seguir cumprindo” o acordo.

“O descumprimento russo do tratado ameaça interesses supremos dos EUA, e o desenvolvimento e instalação russos de um sistema de mísseis que viola o tratado representam uma ameaça direta aos Estados Unidos e nossos aliados e parceiros”, disse o Secretário de Estado norte-americano, Mike Pompeo.

★ ★ ★

Se você acompanha e aprecia o trabalho jornalístico do Boletim da Liberdade, e valoriza a importância de existir um veículo profissional com viés liberal, pedimos que:

➡ Considere fazer uma assinatura solidária ao Boletim. Com uma contribuição mensal, você ajuda que o site continue no ar e possibilita o nosso crescimento. Além disso, recebe benefícios exclusivos. Temos vários projetos na mesa que só serão viabilizados com maior quantidade de assinantes. Saiba mais e assine agora mesmo.

➡ Siga nossas redes sociais (Facebook, Twitter e Instagram), inscreva-se em nossa newsletter gratuita semanal e entre em nosso grupo do WhatsApp para recebimento de conteúdos. Curta nossas publicações, compartilhe-as para seus amigos e fale do site para conhecidos e familiares liberais. Toda ajuda faz diferença.

Curta nossa página no Facebook

Notícias no WhatsApp
O sexto grupo do Boletim da Liberdade no WhatsApp está com vagas abertas. É por tempo limitado. Entre apenas caso tenha interesse em notícias sobre política e economia com um viés liberal. Clique aqui para entrar.
Siga-nos no Twitter

Comentários


Receba nosso conteúdo por e-mail



Leia também
error: Não é permitida a reprodução do conteúdo sem prévia autorização.