fbpx
PUBLICIDADE


Bolsonaro responde declaração de presidente cubano: ‘a mamata acabou’

Presidente cubano, Miguel Díaz-Canel, havia afirmado que Bolsonaro tinha feito “calúnias vulgares” quando discursou acusando os profissionais cubanos que vieram ao Brasil de desejar implantar guerrilha

- Publicado no dia
Bolsonaro lança programa ‘Médicos pelo Brasil’ no início de agosto (Foto: Antonio Cruz/Agência Brasil)

O presidente Jair Bolsonaro se manifestou neste sábado (3) nas redes sociais para responder uma declaração do presidente cubano, Miguel Díaz-Canel, sobre o programa “Mais Médicos”, do qual diversos médicos cubanos participaram. Canel havia afirmado que Bolsonaro fazia “calúnias vulgares contra Cuba” e que era “vergonhosa sua submissão aos Estados Unidos”. [1]

“O ditador cubano recebia R$ 1 bilhão por ano do Brasil, pelo trabalho de 10 mil ‘profissionais’ de saúde, que aqui viviam em condições análogas à escravidão”, acusou Bolsonaro.

Na sequência, o presidente brasileiro afirmou que a “mamata acabou” pois  “agora, esses recursos serão utilizados pela nossa saúde no programa ‘Médicos pelo Brasil'”.


PUBLICIDADE



Lançado na última semana, o novo programa do governo para levar médicos ao interior do Brasil onde há a ausência de profissionais não exclui a possibilidade de atuação de estrangeiros. No entanto, será preciso fazer uma reprova de revalidação do diploma.

Há ainda mecanismos que visam evitar situações parecidas com as que ocorriam com o “Mais Médicos”, onde o profissional cubano recebia apenas um percentual do pagamento total feito pelo governo.

No lançamento do “Médicos pelo Brasil”, na última quinta-feira (1), o presidente Jair Bolsonaro afirmou ainda que os profissionais cubanos visavam “implantar guerrilha no Brasil”.

“Se os cubanos fossem tão bons assim, teriam salvado a vida de Hugo Chávez, mas não deu certo. Se fossem tão bons assim, Dilma e Lula teriam aqui no Planalto cubanos e não brasileiros”, discursou, na ocasião. [2]

★ ★ ★

Nós criamos o Boletim da Liberdade porque acreditamos em um jornalismo sério, independente e de viés liberal. Você pode ajudar esse projeto.

Para que possamos manter e melhorar nossa missão de organizar, divulgar e apurar informações de interesse público, tornando-as acessíveis para todos, precisamos da sua ajuda. Se você é um entusiasta do Boletim, colabore fazendo uma assinatura. Com menos de R$ 10 ao mês, você ajuda a viabilizar um jornalismo mais plural e democrático no Brasil e tem acesso a conteúdos exclusivos.

Apoie a mídia independente: curta nossa página.


Comentários


Receba nosso conteúdo por e-mail



Leia também
error: Não é permitida a reprodução do conteúdo sem prévia autorização.