fbpx
PUBLICIDADE

Manuela D’Ávila soube antes de Glenn das invasões, denuncia hacker

Segundo Walter Delgatti Neto, o contato com a ex-candidata a vice-presidente se deu para obter o contato de Glenn Greenwald; Manuela D'Ávila, em nota, confirmou diálogo, mas omitiu se teve acesso a mensagens
(Foto: Reprodução / Veja)
(Foto: Reprodução / Veja)
PUBLICIDADE

O hacker Walter Delgatti Neto, preso pela Polícia Federal nesta quinta-feira (26) e que assumiu ter sido o autor das invasões aos aplicativos de mensagens de autoridades que investigavam a Operação Lava Jato, afirmou nesta sexta (26) que chegou a estabelecer contato com a ex-candidata a vice-presidente Manuela D’Ávila (PCdoB). [1]

PUBLICIDADE

Em depoimento, Delgatti afirma que o contato com a comunista se deu para buscar o contato do jornalista Glenn Greenwald. Para obter o favor, o criminoso afirma que chegou a informar o assunto e enviar parte das conversas roubadas.

“[O declarante afirmou] que na manhã do Dia das Mães de 2019 ligou diretamente para Manuela D’Ávila afirmando que possuía o acervo de conversas do MPF [Ministério Público Federal] contendo irregularidades; que ligou para Manuela D’Ávila diretamente da sua conta do Telegram e disse que precisava do contato do jornalista Glenn Greewald; que a princípio Manuela D’Ávila não estava acreditando, motivo pelo qual fez o envio para ela de uma gravação de áudio entre os procuradores da República Orlando e Januário Paludo; que no mesmo domingo do Dia das Mães, cerca de 10 minutos após ter enviado o áudio, recebeu uma mensagem no Telegram do jornalista Glenn Greenwald, que afirmou ter interesse no material, que possuiria interesse público”, diz o depoimento.

PUBLICIDADE

Outro lado

Em nota compartilhada nas redes sociais, Manuela D’Ávila confirmou que chegou a interagir com o hacker e afirmou que compartilhou o contato do jornalista Glenn Greenwald com o invasor. Ela também ressaltou que é jornalista e, portanto, “apta a produzir matérias com sigilo de fonte”. [2]

A ex-deputada federal, contudo, omitiu se teve ou não acesso prévio a mensagens e áudios interceptados pelo hacker, dizendo apenas que o hacker afirmou “ter provas de graves atos ilícitos praticados por autoridades brasileiras”.

Ao fim, ela concluiu dizendo que orientou os advogados a “procederem [com] a imediata entrega das cópias das mensagens” e se colocou à disposição para prestar quaisquer esclarecimentos.

PUBLICIDADE

Compartilhe essa notícia:




O Boletim da Liberdade tem um propósito: reportar diariamente fatos sobre a liberdade no Brasil e no mundo…

mas nós precisamos da sua ajuda para continuar esse trabalho.

➡ Se você consome e aprecia nosso conteúdo, considere fazer uma assinatura. Com a sua contribuição mensal, você ajuda a manter o site no ar (os custos são realmente altos) e ainda possibilita o nosso crescimento. Além disso, recebe benefícios exclusivos. Temos vários projetos na mesa que só serão viabilizados com maior quantidade de assinantes. Saiba mais e assine agora mesmo.

➡ Siga e interaja em nossas redes sociais (Facebook, Twitter e Instagram), inscreva-se em nossa newsletter gratuita semanal e entre em nosso grupo do WhatsApp para recebimento de conteúdos.

Colunas mais recentes

Assine o Boletim da Liberdade e receba todas as segundas-feiras a coluna Panorama