fbpx
PUBLICIDADE


Bolsonaro afirma que vai ‘extinguir’ maioria dos conselhos de participação

Presidente afirmou que medida serve para que o governo não fique refém de pequenos grupos, que hoje têm o poder de influir e votar na formulação ou aplicação executiva de políticas públicas setoriais

- Publicado no dia
Presidente Jair Bolsonaro (Foto: Marcos Corrêa/PR)

O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta segunda-feira (22) que tem a intenção de acabar com “a grande maioria” dos conselhos sociais formados com a participação do governo e da sociedade civil. [1]

O movimento ganhou força com o decreto 8.243/2014, assinado pela então presidente Dilma Rousseff, que definiu uma “política nacional de participação social”. Para os críticos à direita da medida, a iniciativa era o equivalente à instituição formal de “sovietes” no Estado brasileiro por compartilhar a formulação de políticas públicas com grupos organizados.


PUBLICIDADE



“Nós queremos enxugar os conselhos, extinguir a grande maioria deles para que o governo possa funcionar. Não podemos ficar reféns de conselhos, muitos deles [ocupados] por pessoas indicadas por outros governos”, disse Bolsonaro.

Um artigo publicado em 2014 no Instituto Liberal sustentava que a medida de Dilma deturpava a própria essência da sociedade civil, que deveria “ser autônoma e anti-estatal por excelência”. “A mistura dela com a estrutura do Estado a descaracteriza”, diz o artigo, assinado pelo então diretor-administrativo da organização. [2]

★ ★ ★

Nós criamos o Boletim da Liberdade porque acreditamos em um jornalismo sério, independente e de viés liberal. Você pode ajudar esse projeto.

Para que possamos manter e melhorar nossa missão de organizar, divulgar e apurar informações de interesse público, tornando-as acessíveis para todos, precisamos da sua ajuda. Se você é um entusiasta do Boletim, colabore fazendo uma assinatura. Com menos de R$ 10 ao mês, você ajuda a viabilizar um jornalismo mais plural e democrático no Brasil e tem acesso a conteúdos exclusivos.

Apoie a mídia independente: curta nossa página.


Comentários


Receba nosso conteúdo por e-mail



Leia também
error: Não é permitida a reprodução do conteúdo sem prévia autorização.