fbpx
PUBLICIDADE


Ex-chavista, deputado venezuelano cogita Portugal como mediador da crise no país

Parlamentar destacou ainda que intervenção militar na Venezuela pelos Estados Unidos “não é possível” e que Maduro mantém-se no poder enquanto tiver apoio dos militares e de outras potências internacionais

- Publicado no dia
No final de abril, Juan Guaidó tentou promover uma rebelião na Venezuela, mas não obteve apoio suficiente dos militares (Foto: Fernando Llano/AP)

Diante da cada vez mais caótica crise venezuelana, o deputado Juan Barreto – ex-filiado ao partido de Hugo Chávez e hoje ligado a outro movimento político –  especulou neste domingo (23) que Portugal poderia atuar na mediação da crise política da Venezuela. A informação foi repercutida nos principais sites de notícias lusitanos. [1][2]

“Embora Portugal sempre tenha se mantido distante dos assuntos internacionais e tenha uma posição de não-intervenção, pode vir desempenhar um papel extraordinário a partir da União Europeia”, comentou o parlamentar. Portugal, no entanto, já reconheceu Juan Guaidó como presidente da Venezuela em janeiro. [3]


PUBLICIDADE



Juan Barreto (Foto: Reprodução/EP Mundo)

O político, que apoiou Hugo Chávez no passado, afirma que “enquanto Maduro tiver o apoio majoritário das Forças Armadas, que têm sido privilegiadas pelo governo, se manterá no poder”. Para ele, por isso, uma saída da crise precisa ser feita pela negociação.

“Não é possível uma intervenção militar norte-americana. Do ponto de vista geográfico, a Venezuela é muito grande. Os EUA não invadem países muito grandes: o Irã e o Vietnam são apenas uma quinta parte da Venezuela”, opinou, destacando ainda que Rússia, China e Turquia, países “de peso do ponto de vista militar e geopolítico”, estão do lado de Maduro.

Para Barreto, “EUA, Inglaterra e a União Europeia devem entender que o seu papel é pressionar para uma saída negociada e garantir que essa saída se leve a cabo”. E, ao mesmo tempo, a oposição “joga em termos maximalistas, tudo ou nada”.

★ ★ ★

Nós criamos o Boletim da Liberdade porque acreditamos em um jornalismo sério, independente e de viés liberal. Você pode ajudar esse projeto.

Para que possamos manter e melhorar nossa missão de organizar, divulgar e apurar informações de interesse público, tornando-as acessíveis para todos, precisamos da sua ajuda. Se você é um entusiasta do Boletim, colabore fazendo uma assinatura. Com menos de R$ 10 ao mês, você ajuda a viabilizar um jornalismo mais plural e democrático no Brasil e tem acesso a conteúdos exclusivos.

Apoie a mídia independente: curta nossa página.


Comentários


Receba nosso conteúdo por e-mail



Leia também
error: Não é permitida a reprodução do conteúdo sem prévia autorização.