fbpx
PUBLICIDADE

‘Não imaginava que seria tão difícil’, diz Bolsonaro sobre presidência

Presidente Jair Bolsonaro concedeu entrevista exclusiva a revista e, entre outras considerações, avaliou que indicação de Vélez ao Ministério da Educação fora um 'erro' e revelou bastidor de conversa com Olavo depois
Presidente Jair Bolsonaro (Foto: Marcos Corrêa/PR)
Presidente Jair Bolsonaro (Foto: Marcos Corrêa/PR)
PUBLICIDADE

O presidente Jair Bolsonaro concedeu uma entrevista exclusiva à revista Veja desta semana e, entre outros pontos, admitiu que “já passou noites sem dormir”, “chorou pra caramba” e que a presidência é mais difícil do que imaginava. [1]

PUBLICIDADE

“Está faltando o mínimo de patriotismo para algumas pessoas que decidem o futuro do Brasil. O pessoal não está entendendo para onde o Brasil está indo. Não preciso dizer quem são essas pessoas. Elas estão aí. Imaginava que ia ser difícil, mas não difícil assim”, revelou.

Na mesma entrevista, Bolsonaro também admitiu que indicou o ex-ministro Ricardo Vélez por indicação de Olavo de Carvalho. E confidenciou que conversou com o professor sobre a indicação do ministro depois:

PUBLICIDADE

Leia também:  Lula pontua menos em segundo turno contra Moro, diz pesquisa

“Errei no começo quando indiquei o Ricardo Vélez como ministro. Foi uma indicação do Olavo de Carvalho? Foi, não vou negar. Ele teve interesse, é boa pessoa. Depois liguei para ele: ‘Olavo, você conhecia o Vélez de onde?’. ‘Ah, de publicações.’ ‘Pô, Olavo, você namorou pela internet?’, disse a ele. Depois, tive de dar uma radicalizada. Em conversas aqui com os meus ministros, chegamos à conclusão de que era preciso trocar, não se pode ter pena, e trocamos”, afirmou.

Curiosamente, após declarar isso, o presidente também afirmou que Olavo não tem influência no governo, mas admitiu que o filósofo e professor “foi uma pessoa importante” na campanha.

Leia também:  Bolsonaro deve se filiar ao Partido Liberal, diz emissora

“Raramente eu converso com o Olavo. Ele tem a sua liberdade de expressão e ponto. Quantas vezes eu fui chamado de ladrão, safado, sem-vergonha, homofóbico, racista. Eu fico quieto? Agora, se ele responde às agressões de lá… O Olavo não faz por maldade. Ele, pela idade talvez, quer as coisas resolvidas mais rápida. Talvez seja isso aí”, disse.

Ao longo da entrevista, Bolsonaro também disse que pretende, após a tramitação da reforma da Previdência, trazer à pauta a questão da reforma Tributária.

 

 

PUBLICIDADE

Compartilhe essa notícia:

Leu até aqui? Siga nas redes!

MARCAS APOIADORAS

Podcast

O Boletim da Liberdade tem um propósito: reportar diariamente fatos sobre a liberdade no Brasil e no mundo…

mas nós precisamos da sua ajuda para continuar esse trabalho.

Se você consome e aprecia nosso conteúdo, considere fazer uma assinatura. Com a sua contribuição mensal, você ajuda a manter o site no ar (os custos são realmente altos) e ainda possibilita o nosso crescimento. Além disso, recebe benefícios exclusivos. Temos vários projetos na mesa que só serão viabilizados com maior quantidade de assinantes. Saiba mais e assine agora mesmo.

Colunas mais recentes

Assine o Boletim da Liberdade e receba todas as segundas-feiras a coluna Panorama

Are you sure want to unlock this post?
Unlock left : 0
Você tem certeza que deseja cancelar sua assinatura?