fbpx
PUBLICIDADE


João Amoêdo refuta Marcelo Freixo nas redes sociais em debate sobre saneamento

Comentário sobre a MP 868/2018 de João Amoêdo no Twitter levou Marcelo Freixo, deputado federal do PSOL/RJ, a replicar e pedir um debate “mais profundo”; socialista citou dados que Amoêdo refutou

- Publicado no dia
Marcelo Freixo e João Amoêdo (Foto: Reprodução/ El País e IstoÉ)

O deputado federal Marcelo Freixo (PSOL/RJ) e o presidente do Partido Novo, João Amoêdo, debateram na tarde desta terça-feira (28) nas redes sociais sobre a Medida Provisória 868/2018. A iniciativa, surgida em dezembro no apagar das luzes do governo Temer, estabelece com mais clareza que o saneamento básico pode ser operado pela iniciativa privada e facilita o processo de privatização das companhias estatais do setor.

Marcelo Freixo decidiu, inicialmente, comentar uma publicação de Amoêdo datada da tarde desta segunda-feira (27) no Twitter. O ex-candidato a presidente da República havia feito um comparativo entre a eficiência do saneamento do Brasil e do Chile.


PUBLICIDADE



“Brasil: 94% das empresas de saneamento são estatais. 50% da população não tem acesso a saneamento. Chile: 94% das empresas de saneamento são privadas. 99,9% da população tem acesso a saneamento. Tratar privatizações como tabu custa vidas. Precisamos aprovar a MP do Saneamento”, escreveu Amoêdo, que recebeu mais de 15,7 mil curtidas. [1]

Em suas redes sociais, Freixo decidiu replicar Amoêdo, sugerindo “aprofundar o debate”. Segundo ele, “saneamento é um assunto muito sério para ser tratado de forma tão superficial”, uma clara indireta à publicação do liberal.

Mais de 200 cidades, como Berlim, Paris e Buenos Aires, que privatizaram seus sistemas, estão reestatizando, porque não funcionou. O acesso à água e rede de esgoto não foi universalizado e as tarifas ficaram extremamente altas”, replicou o socialista do PSOL, que é o principal nome da esquerda do Rio de Janeiro – mesmo estado de João Amoêdo. [2]

O parlamentar do PSOL também comentou sobre tabus com uma crítica contundente aos defensores da MP, como Amoêdo: “Nenhum debate é tabu, inclusive sobre privatização, mas esse fetichismo com a iniciativa privada ou é tolo ou tenta disfarçar interesses econômicos particulares”.


PUBLICIDADE



A Tréplica

Menos de duas horas após Freixo fazer o comentário, Amoêdo decidiu responder. Em sua tréplica, desta vez com oito parágrafos, o presidente do NOVO produziu uma resposta técnica e desafiou pontos trazidos pelo parlamentar.

Segundo Amoêdo, Freixo teria se equivocado ao dizer que Paris não tinha o saneamento básico universal. “E teve sua infraestrutura construída durante a gestão privada”, complementou o liberal, frisando que após a rede se tornar pública, em 2010, houve redução no investimento em manutenção.

Amoêdo destacou ainda que outra informação trazida na réplica de Freixo estava errada: a de que Berlim chegou a ter o saneamento privado. “Berlim nunca teve o sistema privatizado e sim uma empresa de controle público, com 50,1% de capital público e 49,9% com a iniciativa privada”, disse.

Depois de refutar esses pontos, Amoêdo propôs trazer o debate ao cenário nacional. E trouxe dados:

“Vamos trazer essa discussão para o Brasil? No Rio de Janeiro, qual município lidera o ranking de saneamento? Niterói, que está próximo da universalização do saneamento básico, é operado pela iniciativa privada. Já na capital, operada pela estatal CEDAE, a coleta de esgoto atende a menos que 70% da população”, afirmou.

O ex-candidato a presidente do NOVO também decidiu comentar a questão dos tabus.

“Já que não há tabu por parte do deputado quanto à privatização, esperamos que ele vote a favor da MP, que facilita a operação por parte da iniciativa privada no saneamento, mas mantém para os municípios a decisão entre privatizar ou operar o sistema sanitário”, concluiu.

★ ★ ★

Nós criamos o Boletim da Liberdade porque acreditamos em um jornalismo sério, independente e de viés liberal. Você pode ajudar esse projeto.

Para que possamos manter e melhorar nossa missão de organizar, divulgar e apurar informações de interesse público, tornando-as acessíveis para todos, precisamos da sua ajuda. Se você é um entusiasta do Boletim, colabore fazendo uma assinatura. Com menos de R$ 10 ao mês, você ajuda a viabilizar um jornalismo mais plural e democrático no Brasil e tem acesso a conteúdos exclusivos.

Apoie a mídia independente: curta nossa página.


Comentários


Receba nosso conteúdo por e-mail



Leia também
error: Não é permitida a reprodução do conteúdo sem prévia autorização.