fbpx
PUBLICIDADE


Em conferência, liberais debatem como o Brasil pode sair da social-democracia

Especialistas convidados pelo Instituto Mises Brasil debateram os principais problemas da social-democracia e deram receita de como sair dela; painel contou com a participação de membro do governo

- Publicado no dia
Painel discutiu as saídas do Brasil da social-democracia na VI Conferência de Escola Austriaca (Foto: Boletim da Liberdade)

Um dos painéis mais aguardados deste sábado (11), terceiro e último dia da VI Conferência de Escola Austríaca promovida pelo Instituto Ludwig von Mises Brasil em São Paulo, se propôs a discutir o que precisava ser feito para o Brasil deixar de ser uma social-democracia. Participaram deles os debatedores Leandro Roque, economista e especialista do IMB, e Gianluca Lorenzon, advogado e diretor de programas de liberalização do Ministério da Economia.

Roque concentrou sua crítica à inviabilidade da social-democracia enquanto sistema, pontuando que, “para ela se manter, precisa de uma quantidade cada vez maior de pessoas entrando no mercado de trabalho e arrecadação cada vez mais elevada”.

“No Brasil, todos os problemas que podem afetar a social-democracia se combinaram de maneira rápida e explosiva. Na década de 1980, a carga tributária era 20%, hoje está em 40% e sufocando a economia. Ao mesmo tempo, a taxa de fecundidade reduziu e a quantidade de pessoas entrando no mercado de trabalho está diminuindo. Além disso, não somos produtivos. E, se produzimos pouco, o Estado tem seu potencial de arrecadação menor. Para piorar, enfrentamos uma grave crise econômica”, disse.


PUBLICIDADE



Roque alertou que era evidente que “uma hora não teria como financiar um Estado que cuida de tudo, da saude à educação, da seguridade social à vários programas assistencialistas, de eletricidades a aeroportos”. O especialista pontuou que, para piorar, a social-democracia brasileira ajudou o país a se tornar “o país em desenvolvimento com a maior dívida do mundo”, o que acabou tirando o crédito do mercado e afetando o desenvolvimento das empresas nacionais.

“Acabar com a social-democracia não é insensibilidade, é realidade. Enquanto mais cedo virarmos adultos e percebermos que precisamos acabar com isso, menos dolorosa será essa transição. Nossa social-democracia foi uma experiência curta e natimorta. Nenhum país enriqueceu adotando a social-democracia”, disse.

O advogado e diretor de programas de liberalização do Ministério da Economia, Gianluca Lorenzon (Foto: Boletim da Liberdade)

Diretor de programas de liberalização da economia do ministro Paulo Guedes, o advogado Gianluca Lorenzon – também ex-diretor do Instituto Mises Brasil -, fez um retrospecto histórico brasileiro. Segundo ele, o país “teve um marxismo muito diferente, que é o positivismo”, que influenciou uma série de medidas econômicas no país ao longo da história.

Por fim, o advogado defendeu três passos para o país deixar de ser uma social-democracia. “O primeiro passo é voltar a ser uma federação de fato. Federalizar. O segundo desafio é criar um ambiente jurídico onde o Estado, o juiz, não seja parte de toda relação privada. Acabar, portanto, com a ‘tradição de social-democracia-juridica’. Já o terceiro desafio, o mais difícil, é mudar a mentalidade das pessoas”, opinou.

“A socialdemocracia acaba com a ética e destrói a racionalidade. Essa é a consequência”, comentou ainda Gianluca, citando casos de sua experiência no governo e fora dele de como a mentalidade social-democrata acaba levando políticos a fazerem decisões frias apenas para evitar ampliar as despesas.

O especialista concluiu afirmando que “o sistema social-democrata como um todo é um parasita do capitalismo”, que “sobrevive dos frutos do capitalismo”, e pediu ajuda dos presentes para que o país siga evoluindo em seus pequenos passos. “Todo caminho na direção correta ajuda”, disse.

Em sua exposição, o diretor de liberalização do governo Bolsonaro também comentou os que criticam a participação de liberais em um governo cujo presidente é conservador.

“Quando as pessoas criticam que não estamos fazendo muito, ou não sendo muito radicais, eu respondo: o que o PT faria? Ao longo do governo deles, tentaram pautar a agenda deles com toda força. Defendem as bandeiras deles. Nós devíamos fazer o mesmo. Comprar todas as brigas em defesa das ideias da liberdade. Temos uma janela agora graças ao governo Bolsonaro. Tem muitas maneiras de contribuir. Esse é o momento. Essa é a primeira vez que estamos voltando com ideias para liberalizar o país desde a década de 1960, que não duraram muito por causa do regime. Agora, temos uma porta. Precisamos usar essa porta: fazer o máximo que nós pudermos no pouco tempo que tivermos”, concluiu.

★ ★ ★

Nós criamos o Boletim da Liberdade porque acreditamos em um jornalismo sério, independente e de viés liberal. Você pode ajudar esse projeto.

Para que possamos manter e melhorar nossa missão de organizar, divulgar e apurar informações de interesse público, tornando-as acessíveis para todos, precisamos da sua ajuda. Se você é um entusiasta do Boletim, colabore fazendo uma assinatura. Com menos de R$ 10 ao mês, você ajuda a viabilizar um jornalismo mais plural e democrático no Brasil e tem acesso a conteúdos exclusivos.

Apoie a mídia independente: curta nossa página.


Comentários


Receba nosso conteúdo por e-mail



Leia também
error: Não é permitida a reprodução do conteúdo sem prévia autorização.