PUBLICIDADE


Paulo Guedes se diz ameaçado e ofendido em comissão especial da Câmara

O Ministro da Economia encarou uma sessão com relativa tranquilidade até que parlamentares da oposição fizeram comentários que conseguiram irritá-lo

- Publicado no dia
Paulo Guedes na Comissão Especial (Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil)

O ministro da Economia Paulo Guedes enfrentou novamente os parlamentares brasileiros na Comissão Especial da Câmara para discutir a reforma da Previdência nesta quarta-feira (8). Na longa sessão, novos atritos apareceram entre o economista e a oposição ao governo Bolsonaro.

Paulo Guedes repetiu os mesmos argumentos que usou na reunião da Comissão de Constituição e Justiça e que tem usado na defesa da Nova Previdência. Reiterou que o regime de capitalização é uma alternativa, que “o sistema (atual) já está condenado à queda” e que “é perverso”. Também enfatizou mais uma vez que a meta é “libertar os jovens” e as futuras gerações.

Os momentos de maior calor se deram quando o ministro se julgou ameaçado e ofendido pelas declarações dos deputados de oposição. “Não reagirei nem à ameaça, nem à ofensa”, ele afirmou, dizendo que haveria um padrão nas reuniões na Câmara: após “seis horas” de audiência, a “baixaria começa”.

Ministro sob ataque

“Estou sendo ameaçado de crime de responsabilidade, estão indo no Google para pegar coisas minhas… Já estou compreendendo um pouco mais como funciona a casa”, reclamou Guedes. A deputada Áurea Carolina (PSOL-MG) havia citado a investigação contra Guedes antes de ser ministro por suposta fraude a fundos de pensão. Sobre essa acusação, Guedes disse que, sob sua gestão, “devolveu três vezes” o que havia sido desviado anteriormente.

Já a tentativa de enquadrá-lo em crime de responsabilidade foi feita em comentário de Ivan Valente (PSOL-SP). O psolista disse que o fato de o ministro não ter respondido a um pedido de informações feito por ele justificaria a medida extrema.

A referência ao Google foi direcionada ao petista José Guimarães (PT-CE) e teve outro desdobramento. Paulo Guedes mencionou o petista, sob protestos, com um comentário bastante irônico: “Então, o custo de transição de 1 trilhão, respondendo ao deputado José Guimarães… também se eu “googlar” “dinheiro na cueca” vai aparecer coisa”.

Leia também:  Grupo projeta frase em universidade: 'Greve sem reforma não resolve'

O comentário é uma referência ao conhecido episódio em que um assessor do parlamentar foi detido no aeroporto de Congonhas com dólares escondidos na cueca e em uma maleta em 2005, que seriam de propina. Guimarães lembrou que foi inocentado pela Justiça por alegadamente não haver elementos que o ligassem ao dinheiro e, mais tarde, Paulo Guedes pediu desculpas pela referência jocosa.


PUBLICIDADE



★ ★ ★

Nós criamos o Boletim da Liberdade porque acreditamos em um jornalismo sério, independente e de viés liberal. Você pode ajudar esse projeto.

Para que possamos manter e melhorar nossa missão de organizar, divulgar e apurar informações de interesse público, tornando-as acessíveis para todos, precisamos da sua ajuda. Se você é um entusiasta do Boletim, colabore fazendo uma assinatura ou fazendo uma doação de qualquer valor. Contamos com você para viabilizar um jornalismo mais plural e democrático no Brasil.

Apoie a mídia independente: curta nossa página.


Seja um assinante e receba nosso conteúdo por Whatsapp


Seja um mantenedor com uma doação única de qualquer valor


Comentários

Receba nosso conteúdo por e-mail



Leia também
error: Não é permitida a reprodução do conteúdo sem prévia autorização.