fbpx
PUBLICIDADE


Carlos Bolsonaro é o único filho do presidente com cargo político a não receber honraria oficial

Os demais filhos do presidente que atuam na política receberam a honraria, junto a Olavo de Carvalho, Mourão, Paulo Guedes, Sérgio Moro e outras personalidades

- Publicado no dia
Medalhas da Ordem do Rio Branco (Foto: Reprodução / Medalhas raras)

Além de discursar em rede nacional afirmando que as “dificuldades iniciais” de seu governo são naturais e serão superadas, Bolsonaro fez nesta quinta-feira (01) mais um gesto de prestígio às diversas alas de sua base de apoio. Ele condecorou ao mesmo tempo figuras de diferentes setores, inclusive desafetos. [1]

Os nomes mais notórios são os do vice-presidente Hamilton Mourão e o filósofo Olavo de Carvalho, que trocaram críticas relativamente duras nos últimos tempos. O filósofo, visto como “guru” de Bolsonaro, tem atacado os militares, acusando-os de afagar a imprensa e prejudicar o governo. No mês passado, Mourão, um dos principais alvos dos ataques de Olavo, disse que ele deveria se ater à função de “astrólogo” e o porta-voz da presidência leu uma nota afirmando que as declarações do escritor e filósofo “não contribuem” para os esforços do governo”.


PUBLICIDADE



No entanto, ambos receberam, junto a 33 outras personalidades, entre militares e políticos, o grau máximo da Ordem Nacional de Rio Branco, comenda destinada a personalidades que tenham, na visão do presidente, se tornado merecedoras “pelos seus serviços ou méritos excepcionais”. Além de Olavo e Mourão, também o Ministro da Economia Paulo Guedes, representando os economistas liberais, e o ex-juiz e Ministro da Justiça e Segurança, Sérgio Moro, representando os chamados “lavajatistas”, receberam a comenda.

Entre os políticos agraciados, estão dois filhos do presidente, o senador Flavio Bolsonaro (PSL/RJ) e o deputado Eduardo Bolsonaro (PSL/SP). O vereador Carlos Bolsonaro (PSC-RJ), atuante na campanha do pai e no cotidiano do governo e que esteve envolvido nos atritos com o vice-presidente da República, ficou de fora da lista, que inclui ainda o líder do Partido Novo na Câmara, Marcel van Hattem (RS), além de diversos outros ministros e governadores de estados que se comprometeram em apoiar a reforma previdenciária.

★ ★ ★

Se você acompanha e aprecia o trabalho jornalístico do Boletim da Liberdade, e valoriza a importância de existir um veículo profissional com viés liberal, pedimos que:

➡ Considere fazer uma assinatura solidária ao Boletim. Com uma contribuição mensal, você ajuda que o site continue no ar e possibilita o nosso crescimento. Além disso, recebe benefícios exclusivos. Temos vários projetos na mesa que só serão viabilizados com maior quantidade de assinantes. Saiba mais e assine agora mesmo.

➡ Siga nossas redes sociais (Facebook, Twitter e Instagram), inscreva-se em nossa newsletter gratuita semanal e entre em nosso grupo do WhatsApp para recebimento de conteúdos. Curta nossas publicações, compartilhe-as para seus amigos e fale do site para conhecidos e familiares liberais. Toda ajuda faz diferença.

Curta nossa página no Facebook

Notícias no WhatsApp
O sexto grupo do Boletim da Liberdade no WhatsApp está com vagas abertas. É por tempo limitado. Entre apenas caso tenha interesse em notícias sobre política e economia com um viés liberal. Clique aqui para entrar.
Siga-nos no Twitter

Comentários


Receba nosso conteúdo por e-mail



error: Não é permitida a reprodução do conteúdo sem prévia autorização.