PUBLICIDADE


Bolsonaro diz que não apoiará projeto de Secretário da Receita sobre novo imposto

Em entrevista ao jornal ‘Folha de S. Paulo’, o Secretário da Receita Federal, Marcos Cintra, afirmou que um novo imposto deveria ser criado para substituir outros e defendeu o fim da imunidade tributária a igrejas

- Publicado no dia
Marcos Cintra, secretário de Receita do Ministro Paulo Guedes (Foto: Waldemir Barreto/Agência Senado)

O presidente Jair Bolsonaro negou na manhã desta segunda-feira (29) que será criado um novo imposto sobre transações financeiras e que a imunidade das instituições religiosas poderia ser revista. O presidente afirmou ainda que foi “surpreendido” com a declaração do Secretário da Receita Federal, Marcos Cintra, ao jornal Folha de S. Paulo. [1][2]

“Fui surpreendido com a declaração do nosso Secretário da Receita dizendo que vai ser criado um novo imposto para igrejas. Em nosso governo, nenhum novo imposto será criado, em especial com as igrejas. Além de terem um excelente trabalho social prestado em toda comunidade, reclamam eles – em parte, com razão, no meu entendimento – que há uma bitributação nessa área. Não haverá novo imposto para as igrejas”, disse, em curto vídeo nas redes sociais.

Cintra havia afirmado na entrevista publicada na edição desta segunda (29) do jornal Folha de S. Paulo que um novo imposto poderia ser criado para substituir uma série de impostos federais, entre os quais o PIS e o Cofins.

Denominado de CP (Contribuição Previdenciária), o nova tributação seria mais ampla do que a CPMF. Segundo Cintra, além de permanente, incidiria sobre operações de débito e crédito


PUBLICIDADE



“Abarcará qualquer transação envolvendo pagamentos, até escambo”, revelou o secretário de Guedes ao jornal, complementando ainda que outra diferença com a CPMF é que o novo tributo não elevaria a carga tributária, mas “substituiria impostos pernicioso, sendo compatível com o mundo digital para ‘pegar’ todo mundo”.

Perguntado pelo jornalista se a tributação incidiria sobre igrejas, Cintra reconheceu ser assunto “polêmico”, mas reforçou que defenderia “o fim de toda e qualquer imunidade ou isenção”.

Proposta antiga

A ideia divulgada pelo Secretário da Receita Federal, contudo, não é nova. Desde agosto, como o Boletim da Liberdade revelou com exclusividade, o projeto já vinha sendo estudado pelo ministro Paulo Guedes enquanto Bolsonaro ainda disputava o primeiro turno.

“Sabe por que o banco detesta o imposto sobre movimentação financeira? Porque os clientes não gostam. Bandidos estão fichados”, opinou na ocasião, criticando “instituições pilantrópicas” que são críticas à medida, mas deixando claro, porém, que a criação desse novo imposto só faria sentido para substituir outros em vigor.

★ ★ ★

Nós criamos o Boletim da Liberdade porque acreditamos em um jornalismo sério, independente e de viés liberal. Você pode ajudar esse projeto.

Para que possamos manter e melhorar nossa missão de organizar, divulgar e apurar informações de interesse público, tornando-as acessíveis para todos, precisamos da sua ajuda. Se você é um entusiasta do Boletim, colabore fazendo uma assinatura ou fazendo uma doação de qualquer valor. Contamos com você para viabilizar um jornalismo mais plural e democrático no Brasil.

Apoie a mídia independente: curta nossa página.


Seja um assinante e receba nosso conteúdo por Whatsapp


Seja um mantenedor com uma doação única de qualquer valor


Comentários

Receba nosso conteúdo por e-mail



Leia também
error: Não é permitida a reprodução do conteúdo sem prévia autorização.