fbpx
PUBLICIDADE


Ministro Marco Aurélio quer que STF discuta inquérito instaurado por Toffoli

O ministro acredita que o tema precisa ser avaliado e definido pelo colegiado de ministros e que o inquérito instaurado por Toffoli se mostrou “natimorto”

- Publicado no dia
Marco Aurélio Mello (Foto: Divulgação)

O ministro Marco Aurélio Mello, do Supremo Tribunal Federal, comentou nesta quarta-feira (24) o inquérito instaurado pelo ministro Dias Toffoli para investigar ataques contra o STF e a honra de seus integrantes. [1]

Antes, abordando os processos contra o ex-presidente Lula, Marco Aurélio afirmou ter “dúvida seríssima” quanto ao envolvimento do ex-presidente em crime de lavagem de dinheiro no caso do tríplex do Guarujá. Ele disse que a condenação talvez devesse se restringir ao crime de corrupção. Já sobre o inquérito de Toffoli, que, conduzido pelo também ministro Alexandre de Moraes, levou à censura da revista Crusoé – suspensa três dias depois -, Mello defendeu a sua discussão por todos os ministros. [2]

Para ele, todas as medidas, como a investigação nas residências de supostos agressores e ofensores do STF e as intimações para depoimentos, podem ser anuladas se o órgão considerar o inquérito inconstitucional. “Sim, aí caem todas as medidas, ele é insubsistente. E para mim, ele se mostrou natimorto.” Infelizmente para Marco Aurélio, não sendo relator das ações, ele não pode levar o tema à discussão. A iniciativa deve partir do próprio Alexandre de Moraes ou de Edson Fachin, relator de ações contra a abertura do processo.


PUBLICIDADE



“Decisão colegiada pode trazer mais estabilidade ao país”

Ouvido pelo Boletim, o advogado Leonardo Corrêa, colunista do Instituto Liberal e com formação pela Universidade da Pensilvânia, sustentou que a iniciativa do ministro Marco Aurélio tem méritos. “Seria apropriado adotar o modelo utilizado pela Suprema Corte americana — julgando em conjunto as questões de relevância nacional. Nossos ministros poderiam levar, imediatamente, as liminares ao Plenário, decidindo-as em sessão aberta, com todos votando. Assim, diversas questões seriam pacificadas, dando uma segurança jurídica maior ao país e reforçando o papel institucional do Supremo”.

Questionado se uma eventual declaração de inconstitucionalidade poderia incorrer em qualquer punição aos ministros responsáveis, movida pelos próprios demais ministros, Leonardo respondeu que “o sistema jurídico não tem uma solução clara e evidente para isso” e “existe o princípio da independência dos magistrados. Mas, não fosse só isso, como disse certa vez o Decano: “o STF tem o direito de errar por último””, complementou.

★ ★ ★

Nós criamos o Boletim da Liberdade porque acreditamos em um jornalismo sério, independente e de viés liberal. Você pode ajudar esse projeto.

Para que possamos manter e melhorar nossa missão de organizar, divulgar e apurar informações de interesse público, tornando-as acessíveis para todos, precisamos da sua ajuda. Se você é um entusiasta do Boletim, colabore fazendo uma assinatura. Com menos de R$ 10 ao mês, você ajuda a viabilizar um jornalismo mais plural e democrático no Brasil e tem acesso a conteúdos exclusivos.

Apoie a mídia independente: curta nossa página.


Comentários


Receba nosso conteúdo por e-mail



Leia também
error: Não é permitida a reprodução do conteúdo sem prévia autorização.