fbpx
PUBLICIDADE


Presidente do PT, Gleisi Hoffmann divulga artigo apócrifo aos cristãos na Páscoa

Publicado no site de viés de esquerda “Brasil de Fato”, autores sustentam que Jesus Cristo foi crucificado ‘porque confrontou o Templo’ e não por ser uma ‘vontade de Deus’

- Publicado no dia
Em visita ao Brasil, Papa Francisco esteve com Dilma Rousseff e a então senadora Gleise Hoffmann. Na ocasião, lideranças do governo do Brasil (Foto: eprodução/Blog do Esmael)

A deputada federal Gleisi Hoffmann (PT/PR) compartilhou neste domingo (21) de Páscoa um artigo apócrifo ao cristianismo em suas redes sociais. No texto, publicado originalmente no site Brasil de Fato, Jesus não morreu pelos pecados dos homens, como diz a doutrina cristã. [1]

Os autores sustentam que o Messias para os cristãos morreu, na verdade, “porque confrontou o sistema” dos poderosos de sua época. Diante da informação, a deputada afirmou que se tratava de uma “ótima reflexão”. [2]


PUBLICIDADE



Escrito pelos supostos sacerdotes católicos Francisco Cornélio e Alberto Maggi, o artigo diz que a morte de Jesus também “não foi a vontade de Deus” e o “inimigo de Deus não é o pecado”, mas sim “o interesse, a conveniência e a cobiça”.

Boletim da Liberdade tentou contato com a Arquidiocese do Rio de Janeiro para ter uma posição sobre o conteúdo, porém não obteve nenhuma resposta até o momento desta reportagem.

★ ★ ★

Nós criamos o Boletim da Liberdade porque acreditamos em um jornalismo sério, independente e de viés liberal. Você pode ajudar esse projeto.

Para que possamos manter e melhorar nossa missão de organizar, divulgar e apurar informações de interesse público, tornando-as acessíveis para todos, precisamos da sua ajuda. Se você é um entusiasta do Boletim, colabore fazendo uma assinatura. Com menos de R$ 10 ao mês, você ajuda a viabilizar um jornalismo mais plural e democrático no Brasil e tem acesso a conteúdos exclusivos.

Apoie a mídia independente: curta nossa página.


Comentários


Receba nosso conteúdo por e-mail



Leia também
error: Não é permitida a reprodução do conteúdo sem prévia autorização.