fbpx
PUBLICIDADE


Líder da oposição, Molon quer processar Bolsonaro por vídeo pró-64

O deputado do PSB-RJ quer direito de resposta e processo contra o presidente da República por improbidade pela divulgação do vídeo

- Publicado no dia
Alessandro Molon (Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil)

O vídeo divulgado pela conta oficial do Planalto através do WhatsApp exaltando o golpe de 64 chamou a atenção do deputado que lidera a oposição ao governo. Alessandro Molon, do PSB do Rio de Janeiro, decidiu abrir uma representação junto ao Ministério Público para pedir que o presidente Jair Bolsonaro seja processado por improbidade administrativa. [1] [2] [3] 

Molon quer que o presidente seja obrigado a responder a perguntas que geraram grande questionamento nos dias de circulação do vídeo, como quem pagou a produção, se foi concebida dentro do Planalto e se houve participação de funcionários e agentes públicos. No mesmo dia, no entanto, um empresário paulista, Osmar Stabile, que já foi candidato à presidência do Sport Club Corinthians Paulista e se declara eleitor de Bolsonaro, se manifestou assumindo a responsabilidade total pela feitura do vídeo.


PUBLICIDADE



No texto que Molon entregou à procuradora federal dos Direitos do Cidadão no MPF, Deborah Duprat, ele sustenta que “o governo do sr. Jair Bolsonaro está a ruir as fundações do Estado e a própria Constituição”. Afirma ainda que o vídeo “viola a própria essência da Constituição de 1988, promulgada como reação ao fim de um regime antidemocrático, autoritário, violento e de graves violações aos direitos humanos”. Molon ainda reivindica um direito de resposta em reação ao vídeo.

Sem exibir qualquer marca do governo ou de qualquer instituição pública, o vídeo é apresentado por um narrador profissional, que veio à público revelar que foi contratado para o trabalho. Ele discursa que “o Exército nos salvou” em 31 de março de 1964 e, ao final, uma segunda voz diz que “o Exército não quer palmas, nem homenagens. O Exército apenas cumpriu o seu papel”.

★ ★ ★

Se você acompanha e aprecia o trabalho jornalístico do Boletim da Liberdade, e valoriza a importância de existir um veículo profissional com viés liberal, pedimos que:

➡ Considere fazer uma assinatura solidária ao Boletim. Com uma contribuição mensal, você ajuda que o site continue no ar e possibilita o nosso crescimento. Além disso, recebe benefícios exclusivos. Temos vários projetos na mesa que só serão viabilizados com maior quantidade de assinantes. Saiba mais e assine agora mesmo.

➡ Siga nossas redes sociais (Facebook, Twitter e Instagram), inscreva-se em nossa newsletter gratuita semanal e entre em nosso grupo do WhatsApp para recebimento de conteúdos. Curta nossas publicações, compartilhe-as para seus amigos e fale do site para conhecidos e familiares liberais. Toda ajuda faz diferença.

Curta nossa página no Facebook

Notícias no WhatsApp
O sexto grupo do Boletim da Liberdade no WhatsApp está com vagas abertas. É por tempo limitado. Entre apenas caso tenha interesse em notícias sobre política e economia com um viés liberal. Clique aqui para entrar.
Siga-nos no Twitter

Comentários


Receba nosso conteúdo por e-mail



error: Não é permitida a reprodução do conteúdo sem prévia autorização.