PUBLICIDADE


Procurador da Lava Jato lamenta decisão do STF e alerta sociedade sobre retrocesso

Deltan Dallagnol alertou que medida pode dar início ao fim do ciclo de combate à corrupção política que teria se iniciado com a Operação Lava Jato; decisão direciona mais processos para a Justiça Eleitoral

- Publicado no dia
Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

O Supremo Tribunal Federal decidiu nesta quinta-feira (14), por 6 votos a 5, que processos envolvendo políticos no uso de caixa 2, ainda que com evidências de os recursos serem frutos de corrupção, devem ser remetidos à Justiça Eleitoral. A decisão gerou críticas de pessoas ligadas a Operação Lava Jato e organismos de combate à corrupção. [1]


PUBLICIDADE



Os críticos à decisão sustentam que a Justiça Eleitoral não possui estrutura para julgar esses processos e, pelo histórico, tende a deixá-los em segundo plano. De acordo com uma reportagem publicada pelo jornal Folha de S. Paulo, os tribunais são sobrecarregados e, por isso, vistos com otimismo pelos advogados que defendem os réus e trabalham por suas absolvições. [2]

Para o procurador Deltan Dallagnol, da Operação Lava Jato, a medida representa o início do fim “da janela de combate à corrupção política que se abriu há cinco anos, no início da Lava Jato”. Nas redes sociais, Dallagnol alertou também sobre o risco de que a decisão reverta casos anteriores, de políticos já condenados pela Justiça Comum. [3]

Para o ministro Luís Roberto Barroso, que foi voto vencido no julgamento, “faz pouca diferença distinguir se o dinheiro vai para o bolso ou para a campanha”. [4]

“O problema não é para onde o dinheiro vai, é de onde o dinheiro vem. E o dinheiro vem da cultura de achaque a corrupção que se disseminou pelo país”, afirmou o magistrado. A frase foi compartilhada por Deltan nas redes sociais, que já acumula 655 mil seguidores, em sua maioria entusiastas da Lava Jato.

Leia também:  Ex-presidente Michel Temer é preso e cúpula do governo Temer é alvo da PF

O processo que culminou a decisão do Supremo Tribunal Federal foi movido pelo ex-prefeito do Rio de Janeiro, Eduardo Paes.

★ ★ ★

Nós criamos o Boletim da Liberdade porque acreditamos em um jornalismo sério, independente e de viés liberal. Você pode ajudar esse projeto.

Para que possamos manter e melhorar nossa missão de organizar, divulgar e apurar informações de interesse público, tornando-as acessíveis para todos, precisamos da sua ajuda. Se você é um entusiasta do Boletim, colabore fazendo uma assinatura ou fazendo uma doação de qualquer valor. Contamos com você para viabilizar um jornalismo mais plural e democrático no Brasil.

Apoie a mídia independente: curta nossa página.


Seja um assinante e receba nosso conteúdo por Whatsapp


Seja um mantenedor com uma doação única de qualquer valor

Comentários

Receba nosso conteúdo por e-mail



Leia também
error: Não é permitida a reprodução do conteúdo sem prévia autorização.