fbpx
PUBLICIDADE

Maioria das armas usadas em crimes nos EUA é do mercado negro

Dados de análise realizada com detentos sinalizou que percentual expressivo adquiriu o instrumento na ilegalidade e um quinto adquiriu a arma especificamente para cometer o crime
(Foto: Diogo Moreira | Fotos Públicas)
(Foto: Diogo Moreira | Fotos Públicas)
PUBLICIDADE

Um estudo divulgado no mês de janeiro deste ano pelo Departamento de Justiça Americano oferece um dado interessante para o debate sobre a liberação do acesso às armas. Segundo o relatório, a maioria dos crimes cometidos com armas se deu com itens adquiridos através do mercado negro e não legalmente. [1]

PUBLICIDADE

Utilizando dados de 2016 sobre detentos, ficou demonstrado que cerca de um em cada cinco deles (em torno de 21%), tanto entre os prisioneiros estaduais quanto entre os federais, reportaram que “possuíam e portavam uma arma de fogo quando cometeram o crime pelo qual estavam cumprindo pena”. Especificamente com relação à posse durante o crime, os registros apontam um número de 287.400 prisioneiros.

PUBLICIDADE

Desse total, 6% tinham roubado a arma, 7% a encontraram na cena do crime e nada menos que 43% adquiriram o instrumento na rua ou no mercado negro. Mais de 25% receberam a arma como presente de familiares ou de amigos. Cerca de 1,3% dos prisioneiros adquiriram a arma no varejo e 0,8% em “gun shows” – eventos especiais para venda e promoção de armas de fogo.

Outro número é bastante significativo: esse mesmo percentual de um em cada cinco adquiriu a arma especificamente com o objetivo de cometer o crime.

Compartilhe essa notícia:




O Boletim da Liberdade tem um propósito: reportar diariamente fatos sobre a liberdade no Brasil e no mundo…

mas nós precisamos da sua ajuda para continuar esse trabalho.

➡ Se você consome e aprecia nosso conteúdo, considere fazer uma assinatura. Com a sua contribuição mensal, você ajuda a manter o site no ar (os custos são realmente altos) e ainda possibilita o nosso crescimento. Além disso, recebe benefícios exclusivos. Temos vários projetos na mesa que só serão viabilizados com maior quantidade de assinantes. Saiba mais e assine agora mesmo.

➡ Siga e interaja em nossas redes sociais (Facebook, Twitter e Instagram), inscreva-se em nossa newsletter gratuita semanal e entre em nosso grupo do WhatsApp para recebimento de conteúdos.

Colunas mais recentes

Assine o Boletim da Liberdade e receba todas as segundas-feiras a coluna Panorama