fbpx
PUBLICIDADE

Bolsonaro barra estratégia de novo imposto sindical e sindicalistas reclamam

Medida provisória editada pelo presidente impede que assembleias coletivas forcem que todos os trabalhadores façam 'contribuições' que não aceitaram individualmente
Jair Bolsonaro (Wilson Dias / Agência Brasil)
Jair Bolsonaro (Wilson Dias / Agência Brasil)
PUBLICIDADE

O presidente Jair Bolsonaro despertou a fúria de sindicalistas ao editar, na última sexta-feira (1º), uma medida provisória que regula os modelos de contribuição do trabalhador aos sindicatos. [1]

PUBLICIDADE

Segundo a medida, as cobranças só poderão ser feitas por meio de “autorização prévia do empregado individualmente, expressa e por escrito, não admitida a autorização tácita”, como por meio de negociações coletivas ou assembleias gerais.

A medida vai contra a estratégia que as principais entidades sindicais do país estavam articulando desde o fim da contribuição sindical obrigatória, também conhecida como “imposto sindical”, no governo Michel Temer.

PUBLICIDADE

O objetivo das agremiações era permitir que assembleias coletivas de cada segmento profissional pudessem, por todos os trabalhadores, definir se haveria (e quanto seria) a contribuição financeira para os sindicatos. Após a deliberação, todos os funcionários seriam descontados em folha.

Leia também:  Frias quer vetar 'passaporte de vacinação' em museus da União

A medida de Bolsonaro, contudo, afirmou que as cobranças, além da autorização prévia individual, só poderiam ser pagas por meio de boleto bancário “ou equivalente”, sendo vedado o envio de cobranças à residência do funcionário que não autorizou.

Reações

De acordo com o divulgado pelo jornal Folha de S. Paulo, as centrais sindicais estudam reações para derrubar a medida. Dentre elas, a possibilidade de propor emendas na MP ou alegar que não havia urgência no decreto. Para isso, esperam contar com o apoio do presidente da Câmara, Rodrigo Maia. [2]

PUBLICIDADE

Em nota, a Força Sindical afirmou que a medida do presidente possui irregularidades e fere o princípio da liberdade sindical prevista na Constituição. A entidade afirmou ainda estar estudando medidas jurídicas contra a medida. [3]

Leia também:  Ministro faz reclamação sobre corte de orçamento em sua pasta

O presidente Jair Bolsonaro, por sua vez, manifestou-se nas redes sociais na noite deste domingo (3) pedindo “atenção” do Brasil, pois a medida não agradou os líderes sindicais.

“Cabe mais uma vez à população a fiscalização do cumprimento deste pleito ou se não há a possibilidade de derrota mediante votação ou não apreciação da matéria no prazo previsto, o que levaria também sua automática derrota no Congresso. O Brasil precisa estar atento, pois todo dia é um jogo de xadrez”, concluiu o presidente. [4]

Compartilhe essa notícia:

Leu até aqui? Siga nas redes!

MARCAS APOIADORAS

Podcast

O Boletim da Liberdade tem um propósito: reportar diariamente fatos sobre a liberdade no Brasil e no mundo…

mas nós precisamos da sua ajuda para continuar esse trabalho.

Se você consome e aprecia nosso conteúdo, considere fazer uma assinatura. Com a sua contribuição mensal, você ajuda a manter o site no ar (os custos são realmente altos) e ainda possibilita o nosso crescimento. Além disso, recebe benefícios exclusivos. Temos vários projetos na mesa que só serão viabilizados com maior quantidade de assinantes. Saiba mais e assine agora mesmo.

Colunas mais recentes

Assine o Boletim da Liberdade e receba todas as segundas-feiras a coluna Panorama

Are you sure want to unlock this post?
Unlock left : 0
Você tem certeza que deseja cancelar sua assinatura?