fbpx
PUBLICIDADE


Bolsonaro barra estratégia de novo imposto sindical e sindicalistas reclamam

Medida provisória editada pelo presidente impede que assembleias coletivas forcem que todos os trabalhadores façam ‘contribuições’ que não aceitaram individualmente

- Publicado no dia
Jair Bolsonaro (Wilson Dias / Agência Brasil)

O presidente Jair Bolsonaro despertou a fúria de sindicalistas ao editar, na última sexta-feira (1º), uma medida provisória que regula os modelos de contribuição do trabalhador aos sindicatos. [1]

Segundo a medida, as cobranças só poderão ser feitas por meio de “autorização prévia do empregado individualmente, expressa e por escrito, não admitida a autorização tácita”, como por meio de negociações coletivas ou assembleias gerais.

A medida vai contra a estratégia que as principais entidades sindicais do país estavam articulando desde o fim da contribuição sindical obrigatória, também conhecida como “imposto sindical”, no governo Michel Temer.


PUBLICIDADE



O objetivo das agremiações era permitir que assembleias coletivas de cada segmento profissional pudessem, por todos os trabalhadores, definir se haveria (e quanto seria) a contribuição financeira para os sindicatos. Após a deliberação, todos os funcionários seriam descontados em folha.

A medida de Bolsonaro, contudo, afirmou que as cobranças, além da autorização prévia individual, só poderiam ser pagas por meio de boleto bancário “ou equivalente”, sendo vedado o envio de cobranças à residência do funcionário que não autorizou.

Reações

De acordo com o divulgado pelo jornal Folha de S. Paulo, as centrais sindicais estudam reações para derrubar a medida. Dentre elas, a possibilidade de propor emendas na MP ou alegar que não havia urgência no decreto. Para isso, esperam contar com o apoio do presidente da Câmara, Rodrigo Maia. [2]

Em nota, a Força Sindical afirmou que a medida do presidente possui irregularidades e fere o princípio da liberdade sindical prevista na Constituição. A entidade afirmou ainda estar estudando medidas jurídicas contra a medida. [3]


PUBLICIDADE



O presidente Jair Bolsonaro, por sua vez, manifestou-se nas redes sociais na noite deste domingo (3) pedindo “atenção” do Brasil, pois a medida não agradou os líderes sindicais.

“Cabe mais uma vez à população a fiscalização do cumprimento deste pleito ou se não há a possibilidade de derrota mediante votação ou não apreciação da matéria no prazo previsto, o que levaria também sua automática derrota no Congresso. O Brasil precisa estar atento, pois todo dia é um jogo de xadrez”, concluiu o presidente. [4]

★ ★ ★

Se você acompanha e aprecia o trabalho jornalístico do Boletim da Liberdade, e valoriza a importância de existir um veículo profissional com viés liberal, pedimos que:

➡ Considere fazer uma assinatura solidária ao Boletim. Com uma contribuição mensal, você ajuda que o site continue no ar e possibilita o nosso crescimento. Além disso, recebe benefícios exclusivos. Temos vários projetos na mesa que só serão viabilizados com maior quantidade de assinantes. Saiba mais e assine agora mesmo.

➡ Siga nossas redes sociais (Facebook, Twitter e Instagram), inscreva-se em nossa newsletter gratuita semanal e entre em nosso grupo do WhatsApp para recebimento de conteúdos. Curta nossas publicações, compartilhe-as para seus amigos e fale do site para conhecidos e familiares liberais. Toda ajuda faz diferença.

Curta nossa página no Facebook

Notícias no WhatsApp
O sexto grupo do Boletim da Liberdade no WhatsApp está com vagas abertas. É por tempo limitado. Entre apenas caso tenha interesse em notícias sobre política e economia com um viés liberal. Clique aqui para entrar.
Siga-nos no Twitter

Comentários


Receba nosso conteúdo por e-mail



error: Não é permitida a reprodução do conteúdo sem prévia autorização.