fbpx
PUBLICIDADE


‘Dois ministros do governo Bolsonaro carregam a tocha de Roberto Campos’

LVM Editora lançou no Rio de Janeiro seu mais novo título: ‘Roberto Campos: A Constituição contra o Brasil’; obra reúne artigos do economista liberal Roberto Campos com críticas à Constituição de 1988

- Publicado no dia
Lucas Berlanza, Paulo Roberto de Almeida, Christian Linux e Alex Catharino (Foto: Boletim da Liberdade)

A LVM Editora lançou na última quinta-feira (14), no Rio de Janeiro, com o apoio do Instituto Liberal, seu mais novo lançamento: Roberto Campos: A Constituição contra o Brasil. A obra, organizada pelo embaixador Paulo Roberto de Almeida, reúne artigos e crônicas do economista liberal, morto em 2001, com críticas à Constituição Federal de 1988, da qual foi, inclusive, um dos constituintes.

“Para fazer o livro, recolhi 65 artigos de Roberto Campos da fase Constituinte e pós-promulgação da Constituição. Neles, há uma crítica ferina, bem-humorada, irônica, sobre todos os desvios que o Brasil cometeu durante aquele processo na área econômica”, explicou Almeida ao Boletim da Liberdade.

O embaixador, que também já havia escrito O Homem que Pensou o Brasil – A Trajetória Intelectual de Roberto Campos, afirma que leu todos os textos deixados por Campos e alerta que o economista não era contrário aos direitos fundamentais, área em que reconhece que houve um avanço na Constituição de 1988.


PUBLICIDADE



“A Constituição realmente consolida um conjunto de princípios democráticos pelas liberdades, respeito aos direitos humanos, o que ele não tinha nenhuma objeção. Mas, para Campos, o conteúdo econômico seria uma receita para o atraso. Porque é utópica, dado que quer distribuir generosidade pela via do Direito Positivo, e isso é impossível sem produtividade e um ambiente de negócios favorável”, afirma Almeida, complementando que embora descentralize o poder, a nova Carta não distribuiu os recursos em igual proporção.

Roberto Campos, um dos principais liberais brasileiros (Foto: O Globo)

Para Alex Catharino, editor-responsável da LVM Editora, Roberto Campos foi um dos “dos mais importantes liberais brasileiros que se dedicou sobre as mazelas da Constituição”.

“Eu tive o prazer de conhecer Roberto Campos. Era um homem que tinha uma grande erudição, uma mente lógica, uma capacidade de lidar com a teoria e trazê-la pra prática. Foi um dos maiores representantes da tentativa de combater no Brasil o patrimonialismo e colocar o país no caminho liberal, na defesa da economia de mercado, direitos individuais e Estado de Direito”, diz Catharino.

Perguntado pelo Boletim da Liberdade sobre a influência de Campos no atual governo, Catharino opina que dois ministros carregam a tocha do economista.

“Roberto Campos, já na década de 1980, afirmou certa vez que os economistas mais capazes do Brasil e que poderiam trazer mudanças eram Paulo Rabello de Castro [ex-presidente do BNDES] e Paulo Guedes, atual Ministro da Economia. Hoje, no Ministério de Bolsonaro, além de Guedes, temos também Ricardo Vélez-Rodrigues, da Educação, cuja crítica ao patrimonialismo em diversos trabalhos é parecida com a de Campos. De certo modo, são dois ministros que levam a tocha de Roberto Campos para o governo”, opina.

O livro Roberto Campos – A Constituição contra o Brasil está sendo vendido a partir de R$ 54 na Amazon Brasil (impresso) e R$ 31 na versão digital, para o Kindle.

★ ★ ★

Nós criamos o Boletim da Liberdade porque acreditamos em um jornalismo sério, independente e de viés liberal. Você pode ajudar esse projeto.

Para que possamos manter e melhorar nossa missão de organizar, divulgar e apurar informações de interesse público, tornando-as acessíveis para todos, precisamos da sua ajuda. Se você é um entusiasta do Boletim, colabore fazendo uma assinatura. Com menos de R$ 10 ao mês, você ajuda a viabilizar um jornalismo mais plural e democrático no Brasil e tem acesso a conteúdos exclusivos.

Apoie a mídia independente: curta nossa página.


Comentários


Receba nosso conteúdo por e-mail



Leia também
error: Não é permitida a reprodução do conteúdo sem prévia autorização.