PUBLICIDADE


Liberais criticam governo após aumento de taxa de importação de leite

Para o presidente do think tank liberal Instituto Mises Brasil, governo acaba punindo quem precisa de leite com a medida; Roberto Rachewsky afirmou que iniciativa provoca exclusão social

- Publicado no dia
Aumento do imposto do leite importado suscitou crítica de liberais (Foto: Pixabay)

O aumento da taxa de importação do leite em pó de 28% para 42,8% pelo governo Jair Bolsonaro suscitou uma série de críticas de liberais contra a medida nesta terça (12) e quarta-feira (13). [1][2]

Anunciada pelo presidente como uma tentativa de manter a competitividade do país, Bolsonaro afirmou que a iniciativa seria benéfica “em especial para os consumidores do Brasil”. [3]

Não é esse, contudo, o raciocínio de João Amoêdo, ex-candidato à presidência da República pelo Partido Novo. Para ele, o governo “ao tentar proteger os produtores nacionais prejudica toda a população, e em especial os mais pobres”. Amoêdo prevê ainda que “o preço da alimentação básica [vai] aumentar”. [4]

Presidente do think tank liberal Instituto Mises Brasil, Helio Beltrão chamou a medida como um “crime contra as crianças”.


PUBLICIDADE


“A partir de hoje, o leite em pó aumentará muito de preço, penalizando quem precisa de leite. É inconcebível que este governo puna a população desta forma para beneficiar um grupo pequeno, bem articulado politicamente. Vergonha!”, escreveu nas redes sociais. [5]

Um dos fundadores do Instituto de Estudos Empresariais e articulista do Instituto Liberal, Roberto Rachewsky brincou no Facebook que “Paulo Guedes vai ter que tomar muito leite com anti-dumping até conseguir convencer o Bolsonaro a se tornar um liberal”.

“Anti-dumping é uma das mais perversas formas de fazer com que os pobres continuem impedidos de adquirir produtos mais baratos e melhores. Anti-dumping é um exemplo de política que provoca a exclusão social, concentra a renda na mão dos políticos e burocratas do governo e dos empresários protegidos contra a concorrência internacional”, afirmou. [6]

★ ★ ★

Nós criamos o Boletim da Liberdade porque acreditamos em um jornalismo sério, independente e de viés liberal. Você pode ajudar esse projeto.

Para que possamos manter e melhorar nossa missão de organizar, divulgar e apurar informações de interesse público, tornando-as acessíveis para todos, precisamos da sua ajuda. Se você é um entusiasta do Boletim, colabore fazendo uma assinatura ou fazendo uma doação de qualquer valor. Contamos com você para viabilizar um jornalismo mais plural e democrático no Brasil.

Leia também:  Presidente do Instituto Mises, Helio Beltrão passa a ser colunista da 'Folha'
Apoie a mídia independente: curta nossa página.


Seja um assinante e receba nosso conteúdo por Whatsapp


Seja um mantenedor com uma doação única de qualquer valor


Comentários

Receba nosso conteúdo por e-mail



Leia também
error: Não é permitida a reprodução do conteúdo sem prévia autorização.