fbpx
PUBLICIDADE

Cientista política afirma que conservadores ‘falam mais alto’ que liberais na base de Bolsonaro

A cientista política vem estudando a origem da "nova direita" para sua tese de doutorado, que será transformada em livro em breve
Bolsonaro em cerimônia de posse do Ministro da Defesa (José Cruz/Agência Brasil)
Bolsonaro em cerimônia de posse do Ministro da Defesa (José Cruz/Agência Brasil)

A cientista política Camila Rocha, que vem desenvolvendo uma pesquisa sobre a emergência do fenômeno da “nova direita” no Brasil, concedeu entrevista à Folha, publicada neste domingo (10). Na entrevista, ela comenta que os conservadores “falam mais alto” que os liberais na base de governo de Jair Bolsonaro. [1]

Apesar da equipe econômica marcadamente liberal de Paulo Guedes, a autora de “Menos Marx, mais Mises: uma gênese da nova direita brasileira”, tese de doutorado na Universidade de São Paulo que será transformada em livro pela editora Todavia ainda no primeiro semestre deste ano, Camila afirma que as opiniões conservadoras têm mais peso do que a plataforma liberal. Isso porque essa plataforma ainda não é bem aceita pela maioria da população.

“Do ponto de vista ideológico, o conservadorismo com certeza fala mais alto porque a maior parte da população ainda é refratária a um discurso ‘ultraliberal'”, ela comentou. A expressão “ultraliberal” foi usada, conforme ela mesma explica, como uma distinção dos “neoliberais”, que seriam economistas mais moderados na dose de convicção privatista, ainda que inclinados a ela.





Camila diagnosticou a presença de diferentes alas dentro do governo Bolsonaro disputando espaço e poder, entre os liberais, os militares e os que se apegam a um discurso mais conservador. Essa disputa deve durar, na interpretação dela, por pelo menos um ano, mas a cientista política acredita ser possível acomodar as alas e diz que o governo tem feito um esforço por cumprir as pautas prometidas em campanha.

A relação de Bolsonaro com os “ultraliberais”

Camila Rocha explicou que, quando Bolsonaro foi para o Partido Social Cristão em 2016, um “militante ultraliberal”, Bernardo Santoro – atualmente assessor da Casa Civil do governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel -, já estava no partido, era conselheiro econômico do Pastor Everaldo e presidente do Instituto Liberal. Ao mesmo tempo, Eduardo Bolsonaro cursou a pós-graduação em Escola Austríaca do Instituto Mises Brasil e Santoro assessorou a candidatura de Flávio Bolsonaro à prefeitura do Rio.

Já no final de 2017, Camila aponta que Rodrigo Constantino, presidente do Conselho Deliberativo do Instituto Liberal, sugeriu o nome de Paulo Guedes a Bolsonaro. “Então o Bolsonaro começa a frequentar esses circuitos, interagir com essas pessoas, esses ideólogos, se aproximar. Porque tinha muita desconfiança (em relação a) um militar, uma visão desenvolvimentista, nacionalista”, ela analisou. Essa aproximação permitiu a formação de uma coalização entre conservadores, militares e “ultraliberais”, que não está isenta de tensões e dificuldades.





Compartilhe essa notícia:




O Boletim da Liberdade tem um propósito: reportar diariamente fatos sobre a liberdade no Brasil e no mundo…

mas nós precisamos da sua ajuda para continuar esse trabalho.

➡ Se você consome e aprecia nosso conteúdo, considere fazer uma assinatura. Com a sua contribuição mensal, você ajuda a manter o site no ar (os custos são realmente altos) e ainda possibilita o nosso crescimento. Além disso, recebe benefícios exclusivos. Temos vários projetos na mesa que só serão viabilizados com maior quantidade de assinantes. Saiba mais e assine agora mesmo.

➡ Siga e interaja em nossas redes sociais (Facebook, Twitter e Instagram), inscreva-se em nossa newsletter gratuita semanal e entre em nosso grupo do WhatsApp para recebimento de conteúdos.

Colunas mais recentes

Assine o Boletim da Liberdade e receba todas as segundas-feiras a coluna Panorama