fbpx
PUBLICIDADE


Pacote anticrimes de Moro inclui prisão em segunda instância e desperta reações

O pacote concebido pelo ministério do ex-juiz da Operação Lava Jato procura atacar ao mesmo tempo a corrupção, o crime organizado e os crimes violentos

- Publicado no dia
Sérgio Moro (Foto: Marcello Casal Jr. /Agência Brasil)

Um dos assuntos mais impactantes da segunda-feira (4) foi a divulgação do pacote de reformas anticrimes esboçado pelo Ministério da Justiça e Segurança Pública, capitaneado pelo ex-juiz Sérgio Moro. O projeto atraiu elogios de influenciadores liberais e conservadores e críticas de petistas, como o ex-presidenciável Fernando Haddad.

O ministro já havia anunciado que o pacote teria um alvo triplo: a corrupção propriamente dita, o crime organizado e os crimes violentos – os três, segundo ele, “relacionados entre si”. O projeto estabelece alterações em 14 leis e prevê modificações, ao mesmo tempo, no Código Penal, no Código de Processo Penal e na Lei de Crimes Hediondos. Moro e o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), procuraram deixar claro que o debate acerca do pacote não deve atrapalhar a agenda da Reforma da Previdência. [1]

“Acredito que o Congresso tem condições de fazer várias coisas ao mesmo tempo. Esse projeto não é um óbice à reforma da Previdência”, afirmou Moro, esperando que o pacote seja avaliado e aprovado “o mais rápido possível”. Moro também respondeu a algumas críticas dando conta de que seu pacote de algum modo fugia ao tema dos abusos policiais, afirmando que o pacote anticorrupção também se refere a eles, e criticou os governos anteriores, afirmando que não apresentaram “nenhum projeto consistente” para o setor.  [2] [3] [4]

Algumas propostas

Moro defende o aumento do tempo de regime fechado para a criminalidade mais grave. “Isso não é fascismo, é rule of law“, enfatizou o ministro, ressaltando que é necessário ter mais rigor com os criminosos graves para obter resultados. “É inaceitável que pessoas que cometem crimes hediondos (…) apenas cumpram uma parte ínfima de suas penas e logo retornem ao convívio social como se nada tivesse acontecido”, afirmou.

O pacote determina ainda que as lideranças de organizações criminosas armadas iniciem o cumprimento de suas penas em prisões de segurança máxima. Além disso, a prisão em segunda instância, o que incomodou o ministro do STF Marco Aurélio Mello, que garantiu que a lei não resolve o problema, porque é uma lei ordinária e “não se sobrepõe à Constituição”. [5]

Os policiais também contariam com a oficialização da regra de que, “em conflito armado ou em risco iminente de conflito armado”, o policial que previne uma agressão a ele ou a outras pessoas é considerado “em legítima defesa”. Moro afirma que essa conclusão já é adotada pelos juízes e passaria apenas a ser objetivamente expressa.

O pacote propõe a adoção de um banco genético de criminosos, prática que é adotada em outros países; defende operações com policiais infiltrados e escutas ambientais (com autorização judicial); impede que criminosos profissionais se beneficiem de audiências de custódia; limita o efeito suspensivo de recursos de criminosos aos tribunais superiores, como o STF; eleva penas para crimes com armas de fogo e criminaliza o uso de caixa dois, entre outras medidas.


PUBLICIDADE



Reações

O economista e presidente do Conselho Deliberativo do Instituto Liberal, Rodrigo Constantino, argumentou que a proposta comprova que Sérgio Moro “não aceitaria um papel cosmético” e as reclamações dos partidos de extrema-esquerda são um “bom sinal” de que seu pacote segue pelo caminho certo.

O procurador de Justiça Marcelo Rocha Monteiro, ligado ao Movimento Brasil Livre, fez vários comentários sobre o pacote. Ele concluiu que o texto poderia ser aperfeiçoado pontualmente, mas a oposição do ministro Marco Aurélio Mello sugere que “o saldo é positivo”.

Já para o petista Fernando Haddad, que concorreu à presidência no ano passado, as medidas anunciadas por Moro são “frustrantes e contraproducentes”.

★ ★ ★

Se você acompanha e aprecia o trabalho jornalístico do Boletim da Liberdade, e valoriza a importância de existir um veículo profissional com viés liberal, pedimos que:

➡ Considere fazer uma assinatura solidária ao Boletim. Com uma contribuição mensal, você ajuda que o site continue no ar e possibilita o nosso crescimento. Além disso, recebe benefícios exclusivos. Temos vários projetos na mesa que só serão viabilizados com maior quantidade de assinantes. Saiba mais e assine agora mesmo.

➡ Siga nossas redes sociais (Facebook, Twitter e Instagram), inscreva-se em nossa newsletter gratuita semanal e entre em nosso grupo do WhatsApp para recebimento de conteúdos. Curta nossas publicações, compartilhe-as para seus amigos e fale do site para conhecidos e familiares liberais. Toda ajuda faz diferença.

Curta nossa página no Facebook

Notícias no WhatsApp
O sexto grupo do Boletim da Liberdade no WhatsApp está com vagas abertas. É por tempo limitado. Entre apenas caso tenha interesse em notícias sobre política e economia com um viés liberal. Clique aqui para entrar.
Siga-nos no Twitter

Comentários


Receba nosso conteúdo por e-mail



error: Não é permitida a reprodução do conteúdo sem prévia autorização.