fbpx
PUBLICIDADE


Ministro da Educação diz que universidade é para formar líderes intelectuais

O ministro afirmou que os estudantes devem sair do ensino técnico preparados para o mercado de trabalho e não necessariamente pensando em uma universidade

- Publicado no dia
Ricardo Vélez (Foto: Marcello Casal jr/Agência Brasil)

Um vídeo divulgado pelo Ministro da Educação, Ricardo Vélez Rodríguez, no último dia 30, provocou burburinho e polêmica nas redes sociais. O ministro sustentou que, em todos os países, as universidades existem para formar “líderes intelectuais” e devem ser frequentadas apenas por aqueles que são “vocacionados para o ensino superior”.

De acordo com Vélez, o sistema universitário é um “sistema de excelência, onde entram as pessoas que têm uma apreciação especial por aprofundar na ciência, na tecnologia ou nas universidades”. No entanto, a maioria das pessoas deseja, na opinião dele, um ensino conectado diretamente a uma prática profissional, que deveria estar no ensino técnico ou médio.


PUBLICIDADE



Portanto, o ensino médio precisaria ser encarado como um ensino que já forma as pessoas para o mercado de trabalho, não mais como uma etapa para alcançar a universidade, como se ela fosse obrigatória. “O ensino técnico é aquele que possibilita ao jovem que quer praticar o conhecimento a efetiva prática daquilo que ele está conhecendo” e, por isso, não poderia ter um propósito “puramente conceitual, teórico”.

Uma das declarações de Vélez que mais provocou polêmica foi a de que “a universidade não é para todos”. No entanto, ele reforçou que entende a declaração como significando que nem todos são vocacionados ao aprofundamento teórico e a maioria deveria partir imediatamente para a prática após o ensino médio, não que a universidade estaria fechada a qualquer classe ou grupo social. Ele ainda defendeu a ideia de uma cobrança nas universidades para quem pudesse pagar. Confira o vídeo na íntegra:

★ ★ ★

Se você acompanha e aprecia o trabalho jornalístico do Boletim da Liberdade, e valoriza a importância de existir um veículo profissional com viés liberal, pedimos que:

➡ Considere fazer uma assinatura solidária ao Boletim. Com uma contribuição mensal, você ajuda que o site continue no ar e possibilita o nosso crescimento. Além disso, recebe benefícios exclusivos. Temos vários projetos na mesa que só serão viabilizados com maior quantidade de assinantes. Saiba mais e assine agora mesmo.

➡ Siga nossas redes sociais (Facebook, Twitter e Instagram), inscreva-se em nossa newsletter gratuita semanal e entre em nosso grupo do WhatsApp para recebimento de conteúdos. Curta nossas publicações, compartilhe-as para seus amigos e fale do site para conhecidos e familiares liberais. Toda ajuda faz diferença.

Curta nossa página no Facebook

Notícias no WhatsApp
O sexto grupo do Boletim da Liberdade no WhatsApp está com vagas abertas. É por tempo limitado. Entre apenas caso tenha interesse em notícias sobre política e economia com um viés liberal. Clique aqui para entrar.
Siga-nos no Twitter

Comentários


Receba nosso conteúdo por e-mail



error: Não é permitida a reprodução do conteúdo sem prévia autorização.