fbpx
PUBLICIDADE


Ministro vai contra promessa de Bolsonaro sobre fim da EBC

General da reserva Carlos Alberto dos Santos Cruz defendeu que a estatal de comunicação, que possui emissoras de TV e de rádio, passe por ampla reformulação; empresa tem mais de 2 mil funcionários

- Publicado no dia
Foto: Reprodução/BBC

O ministro Carlos Alberto dos Santos Cruz, da Secretaria de Governo da Presidência, afirmou em entrevista ao jornal O Globo publicada nesta quinta-feira (9) que a ideia do governo “não é acabar com a EBC”, referindo-se à Empresa Brasil de Comunicação. A estatal congrega diversas sub-empresas, como a emissora pública TV Brasil, lançada pelo governo Lula.

Cruz, que é general-de-divisão e já está na reserva, defendeu que a empresa passe “por modificações em curto-prazo para ter mais efetividade” e para poder “aproveitar ao máximo a estrutura”.


PUBLICIDADE



“A EBC é uma empresa que tem duas televisões, oito emissoras de rádio e duas agências. É uma empresa que tem 2.025 pessoas. Precisa passar por uma racionalização de estrutura, sem dúvida nenhuma. Mas é preciso fazer isso respeitando os direitos daqueles que trabalham lá. Tem que otimizar o orçamento, diminuir despesas e aumentar a qualidade”, afirmou.

EBC congrega, entre outras companhias, a TV Brasil e a Rádio Nacional (Foto: Divulgação)

Segundo o ministro, outro objetivo do governo para com a empresa é “torná-la mais atualizada, mais ágil e sem ideologia”.

Contradição

Antes de tomar posse, contudo, não era esse o posicionamento do presidente Jair Bolsonaro. Em entrevista à RecordTV, chegou a afirmar que sua ideia era “privatizar ou extinguir” a emissora pública.

“Não podemos gastar mais de 1 bilhão por ano com uma empresa que tem traço de audiência”, afirmou na ocasião, o que foi amplamente repercutido na imprensa. [1]

Diante da contradição, o presidente do conselho deliberativo do Instituto Liberal, Rodrigo Constantino, árduo defensor de privatizações e autor do livro “Privatize Já”, afirmou em suas redes sociais nesta quarta-feira (9) que o recuo é “inaceitável”. [2]

★ ★ ★

Nós criamos o Boletim da Liberdade porque acreditamos em um jornalismo sério, independente e de viés liberal. Você pode ajudar esse projeto.

Para que possamos manter e melhorar nossa missão de organizar, divulgar e apurar informações de interesse público, tornando-as acessíveis para todos, precisamos da sua ajuda. Se você é um entusiasta do Boletim, colabore fazendo uma assinatura. Com menos de R$ 10 ao mês, você ajuda a viabilizar um jornalismo mais plural e democrático no Brasil e tem acesso a conteúdos exclusivos.

Apoie a mídia independente: curta nossa página.


Comentários


Receba nosso conteúdo por e-mail



Leia também
error: Não é permitida a reprodução do conteúdo sem prévia autorização.