fbpx
PUBLICIDADE


Matéria da Bloomberg diz que Brasil vive ‘momento Milton Friedman’

Ascensão de muitos nomes ligados à Escola de Chicago do icônico economista a postos importantes, inclusive o próprio ministro Paulo Guedes, chamou a atenção da publicação

- Publicado no dia
Milton Friedman (Foto: Reprodução / Portal do Bitcoin)

A Bloomberg publicou no último dia 12 uma matéria repercutindo o momento de ascensão de economistas da Escola de Chicago a altos postos do governo federal, bem como, por consequência, das ideias liberais. De acordo com o texto, o Brasil vive um “momento Milton Friedman”. [1]

O veículo voltado para o mercado financeiro destaca que Paulo Guedes, o futuro “superministro” da Economia do presidente eleito Jair Bolsonaro, gosta de lembrar que foi aluno do famoso economista, ícone da Universidade de Chicago. A matéria faz questão de frisar que ele não está sozinho e nomeou colegas “chicaguistas” para chefiarem outros postos-chave, como a Petrobras e o Banco do Brasil.


PUBLICIDADE



Para a Bloomberg, a popularidade de Bolsonaro permitiu que a agenda de “uma versão radical de economia neoliberal” de Chicago penetrasse o poder, diante de uma sociedade que nunca foi muito favorável a visões de livre mercado. Entrevistado, o diretor-presidente do Instituto Liberal, Lucas Berlanza, disse que nunca houve “uma constelação de estrelas do movimento liberal como essa” ocupando postos tão elevados.

O exemplo dos Chicago Boys, jovens economistas que aplicaram reformas baseadas na visão da escola econômica durante a ditadura chilena de Augusto Pinochet, estaria inspirando Paulo Guedes e seus colegas a promover uma alteração drástica na economia brasileira. A Bloomberg destaca, no entanto, que o “choque liberal” de Guedes e sua equipe terá que se impor aos interesses do Congresso brasileiro.

★ ★ ★

Nós criamos o Boletim da Liberdade porque acreditamos em um jornalismo sério, independente e de viés liberal. Você pode ajudar esse projeto.

Para que possamos manter e melhorar nossa missão de organizar, divulgar e apurar informações de interesse público, tornando-as acessíveis para todos, precisamos da sua ajuda. Se você é um entusiasta do Boletim, colabore fazendo uma assinatura. Com menos de R$ 10 ao mês, você ajuda a viabilizar um jornalismo mais plural e democrático no Brasil e tem acesso a conteúdos exclusivos.

Apoie a mídia independente: curta nossa página.



Receba nosso conteúdo por e-mail



Leia também
error: Não é permitida a reprodução do conteúdo sem prévia autorização.