fbpx
PUBLICIDADE


MBL pergunta ao TSE se assinaturas eletrônicas permitem fundar um partido

A ideia da consulta é conseguir fundar um partido com base em assinaturas eletrônicas, aproveitando a força do movimento nas redes sociais

- Publicado no dia
MBL em ato pelo impeachment (Foto: Evaristo Sa/AFP)

Que existe a possibilidade de a marca do Movimento Brasil Livre se tornar sigla de partido político, não é exatamente uma novidade. No último Congresso Nacional do grupo, o coordenador Renan Santos chegou a aventar mais uma vez a ideia. Segundo o Estadão, porém, em matéria publicada neste domingo (17), um movimento mais expressivo nesse sentido foi feito recentemente. [1]

Trata-se de uma consulta protocolada este mês ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) para saber se assinaturas eletrônicas poderiam ser aceitas com vistas à fundação de um partido. O MBL hoje tem cinco deputados federais e dois senadores eleitos. A ideia é usar a presença forte nas redes sociais, em que tem uma página no Facebook com mais de 3 milhões de curtidas, para atingir o objetivo.


PUBLICIDADE



A estratégia não é propriamente transformar o MBL em um partido, mas criar um partido que seria controlado pelo movimento e existiria paralelamente a ele. O advogado que formalizou o questionamento, Rubens Nunes, disse que o MBL quer uma resposta do tribunal, para em seguida avaliar com mais fundamentos o potencial de seguir esse caminho. “Se o MBL falar que vai fazer um partido, é porque ele vai acontecer. A gente não teria essa leviandade”, resumiu.

A adoção desse caminho levaria o MBL a precisar separar os recursos doados ao movimento dos recursos doados ao partido. Isso porque doações a partidos não podem ser de pessoa jurídica e precisam ser públicas, enquanto as do MBL são ocultadas, segundo Rubens Nunes, por serem de empresários que temem retaliações.

★ ★ ★

Se você acompanha e aprecia o trabalho jornalístico do Boletim da Liberdade, e valoriza a importância de existir um veículo profissional com viés liberal, pedimos que:

➡ Considere fazer uma assinatura solidária ao Boletim. Com uma contribuição mensal, você ajuda que o site continue no ar e possibilita o nosso crescimento. Além disso, recebe benefícios exclusivos. Temos vários projetos na mesa que só serão viabilizados com maior quantidade de assinantes. Saiba mais e assine agora mesmo.

➡ Siga nossas redes sociais (Facebook, Twitter e Instagram), inscreva-se em nossa newsletter gratuita semanal e entre em nosso grupo do WhatsApp para recebimento de conteúdos. Curta nossas publicações, compartilhe-as para seus amigos e fale do site para conhecidos e familiares liberais. Toda ajuda faz diferença.

Curta nossa página no Facebook

Notícias no WhatsApp
O sexto grupo do Boletim da Liberdade no WhatsApp está com vagas abertas. É por tempo limitado. Entre apenas caso tenha interesse em notícias sobre política e economia com um viés liberal. Clique aqui para entrar.
Siga-nos no Twitter

Comentários


Receba nosso conteúdo por e-mail



error: Não é permitida a reprodução do conteúdo sem prévia autorização.