PUBLICIDADE


‘Quem define gênero é a natureza’, diz futuro Ministro da Educação

O ministro acredita que é preciso combater a doutrinação ideológica nas escolas e que a imposição da ideologia de gênero seria uma atitude centralizadora e autoritária

- Publicado no dia
Ricardo Vélez (Foto: Reprodução / Veja)

O ministro da Educação escolhido pelo presidente eleito Jair Bolsonaro, o professor Ricardo Vélez Rodríguez, está alinhado com a agenda do vencedor das eleições em uma pauta bastante sensível: a ideologia de gênero. Em entrevista concedida a diferentes veículos no último dia 26, ele asseverou que “quem define gênero é a natureza”. [1]

Para Vélez, o assunto simplesmente não deveria ser discutido em sala de aula. A discussão, a seu ver, seria “um pouco abstrata, um pouco geral”. Citou um exemplo que corroboraria sua posição: o Canadá. Naquele país, a chamada “educação de gênero” foi decretada por lei federal, mas nas diversas províncias autônomas a discussão permaneceu e algumas rechaçaram a medida.


PUBLICIDADE


“Então eu acredito que quando consultadas as pessoas onde moram, enxergando o indivíduo, a educação de gênero é um negócio que vem de cima para baixo, de uma forma vertical e não respeita muito as individualidades. A culminância da individualização qual é? A sexualidade. Então, se eu brigo com um indivíduo, vou brigar com a sexualidade e vou querer regulamentar a sociedade por decreto, o que não é bom”, sentenciou.

Vélez também opinou favoravelmente ao Escola Sem Partido, alegando, entretanto, que haveria uma moderação na sua regulamentação e nenhum direito de expressão seria reprimido. Defendeu isenção ideológica nas provas para ingresso nas universidades e enfatizou que os colégios militares são sim um modelo a ser seguido, em muitos aspectos, particularmente na disciplina, pelos colégios não-militares.

★ ★ ★

Nós criamos o Boletim da Liberdade porque acreditamos em um jornalismo sério, independente e de viés liberal. Você pode ajudar esse projeto.

Para que possamos manter e melhorar nossa missão de organizar, divulgar e apurar informações de interesse público, tornando-as acessíveis para todos, precisamos da sua ajuda. Se você é um entusiasta do Boletim, colabore fazendo uma assinatura ou fazendo uma doação de qualquer valor. Contamos com você para viabilizar um jornalismo mais plural e democrático no Brasil.

Leia também:  Na TV, Bolsonaro celebra aprovação na CCJ da reforma da Previdência: assista
Apoie a mídia independente: curta nossa página.


Seja um assinante e receba nosso conteúdo por Whatsapp


Seja um mantenedor com uma doação única de qualquer valor


Comentários

Receba nosso conteúdo por e-mail



Leia também
error: Não é permitida a reprodução do conteúdo sem prévia autorização.