fbpx
PUBLICIDADE


‘Quem define gênero é a natureza’, diz futuro Ministro da Educação

O ministro acredita que é preciso combater a doutrinação ideológica nas escolas e que a imposição da ideologia de gênero seria uma atitude centralizadora e autoritária

- Publicado no dia
Ricardo Vélez (Foto: Reprodução / Veja)

O ministro da Educação escolhido pelo presidente eleito Jair Bolsonaro, o professor Ricardo Vélez Rodríguez, está alinhado com a agenda do vencedor das eleições em uma pauta bastante sensível: a ideologia de gênero. Em entrevista concedida a diferentes veículos no último dia 26, ele asseverou que “quem define gênero é a natureza”. [1]

Para Vélez, o assunto simplesmente não deveria ser discutido em sala de aula. A discussão, a seu ver, seria “um pouco abstrata, um pouco geral”. Citou um exemplo que corroboraria sua posição: o Canadá. Naquele país, a chamada “educação de gênero” foi decretada por lei federal, mas nas diversas províncias autônomas a discussão permaneceu e algumas rechaçaram a medida.


PUBLICIDADE



“Então eu acredito que quando consultadas as pessoas onde moram, enxergando o indivíduo, a educação de gênero é um negócio que vem de cima para baixo, de uma forma vertical e não respeita muito as individualidades. A culminância da individualização qual é? A sexualidade. Então, se eu brigo com um indivíduo, vou brigar com a sexualidade e vou querer regulamentar a sociedade por decreto, o que não é bom”, sentenciou.

Vélez também opinou favoravelmente ao Escola Sem Partido, alegando, entretanto, que haveria uma moderação na sua regulamentação e nenhum direito de expressão seria reprimido. Defendeu isenção ideológica nas provas para ingresso nas universidades e enfatizou que os colégios militares são sim um modelo a ser seguido, em muitos aspectos, particularmente na disciplina, pelos colégios não-militares.

★ ★ ★

Se você acompanha e aprecia o trabalho jornalístico do Boletim da Liberdade, e valoriza a importância de existir um veículo profissional com viés liberal, pedimos que:

➡ Considere fazer uma assinatura solidária ao Boletim. Com uma contribuição mensal, você ajuda que o site continue no ar e possibilita o nosso crescimento. Além disso, recebe benefícios exclusivos. Temos vários projetos na mesa que só serão viabilizados com maior quantidade de assinantes. Saiba mais e assine agora mesmo.

➡ Siga nossas redes sociais (Facebook, Twitter e Instagram), inscreva-se em nossa newsletter gratuita semanal e entre em nosso grupo do WhatsApp para recebimento de conteúdos. Curta nossas publicações, compartilhe-as para seus amigos e fale do site para conhecidos e familiares liberais. Toda ajuda faz diferença.

Curta nossa página no Facebook

Notícias no WhatsApp
O sexto grupo do Boletim da Liberdade no WhatsApp está com vagas abertas. É por tempo limitado. Entre apenas caso tenha interesse em notícias sobre política e economia com um viés liberal. Clique aqui para entrar.
Siga-nos no Twitter

Comentários


Receba nosso conteúdo por e-mail



error: Não é permitida a reprodução do conteúdo sem prévia autorização.