SOBRE     ASSINE     NEWSLETTER     FACEBOOK     TWITTER     YOUTUBE



‘Mais Médicos’ foi feito sob medida para Cuba, diz reportagem da ‘Folha’

Investigação descobriu telegramas que apontam que negociação para criação do programa é anterior a 2013 e Brasil aceitou quase todas as exigências de Cuba

- Publicado no dia
A ex-presidente Dilma Rousseff lança o programa “Mais Médicos”, em 2013. O programa seria intensamente utilizado no seu programa de reeleição, no ano seguinte. A economia, porém, ía de mal a pior. (Foto: Roberto Stuckert Filho/PR)

Uma reportagem publicada na noite desta terça-feira (20) pelo site do jornal Folha de S. Paulo porá ainda mais dúvidas sobre as intenções da criação do programa “Mais Médicos”, lançado pela ex-presidente Dilma Rousseff em 2013. [1]

Polêmico devido a extensa contratação de médicos cubanos que não recebem a integralidade da remuneração paga pelo Brasil e também não prestam o exame de revalidação do diploma, a investigação denunciou que o programa foi articulado, na realidade, entre os anos de 2011 e 2012.

Além de quebrar o discurso oficial de que a iniciativa surgiu como resposta às grandes manifestações de rua eclodidas em 2013, a reportagem observou que houve negociações “sigilosas” entre autoridades brasileiras e cubanas desde o início do processo.


PUBLICIDADE



Cuba teria feito inúmeras exigências na negociação – quase todas atendidas pelo governo brasileiro. Na articulação, segundo telegramas oficiais, foi previsto inclusive o modo de o programa ser posto em prática com menos riscos, evitando, por exemplo, passar pelo Congresso Nacional.

Nesse sentido, descobriu-se que era mais conveniente fazer um “contrato comercial de compra de serviços médicos” utilizando um intermediário, a Organização Pan-Americana de Saúde, em vez de um acordo formal entre governos.

Uma das principais críticas feitas por lideranças políticas à direita era que o programa “Mais Médicos”, na prática, também tinha uma finalidade política do PT: ajudar a financiar a ditadura de Cuba.

Nos últimos dias, o governo cubano solicitou o regresso dos milhares de médicos ainda instalados no Brasil após Bolsonaro declarar que revisaria os termos do acordo. Entre eles, a não-exigência da revalidação dos diplomas internacionais e o não-recebimento por parte dos cubanos da integralidade do salário (atualmente, parte deles vai para o governo da ilha).

Para ler a reportagem da Folha de S. Paulo na íntegra, clique aqui.

Confira também:

► CHEGOU A HORA DE APRENDER SOBRE BITCOINS EM UM GUIA OBJETIVO: Um treinamento para iniciar no mercado de criptomoedas e ganhar dinheiro.

► CRIE UM NEGÓCIO ONLINE E COMPLEMENTE A SUA RENDA. Siga o passo a passo para em 30 dias começar a faturar sem sair de casa.

► VOCÊ SABIA QUE EXISTE TÉCNICA PARA GANHAR NA LOTERIA? Quem comprou, não se arrependeu. 10 dias de garantia ou o seu dinheiro de volta

Apoie a mídia independente: curta nossa página.


Seja um assinante e receba nosso conteúdo por Whatsapp


Seja um mantenedor com uma doação única de qualquer valor

Comentários

Receba nosso conteúdo por e-mail



Leia também
error: Não é permitida a reprodução do conteúdo sem prévia autorização.