fbpx
PUBLICIDADE


‘Mais Médicos’: estudante paranaense denuncia doutrinação de professor

Estudante que diz sofrer de epilepsia acusou o professor de, em conjunto com os colegas, constrangê-la por demonstrar contrariedade ao discurso do docente sobre os médicos cubanos

- Publicado no dia
Nicole Sequeira (Foto: Reprodução / i44)

A estudante paranaense Nicole Sequeira, do segundo ano do Ensino Médio no Colégio Estadual Marechal Cândido Rondon, denunciou no último dia 16 um caso de doutrinação. Ela alega ser a única estudante “de direita” de sua turma e ter sido constrangida por um professor de Química que discutia o programa Mais Médicos. [1]

Aos 18 anos, Nicole sofre de epilepsia e afirma que os sintomas de uma crise se manifestaram em consequência da discussão com o professor Denny César Faria, de 42 anos, que admitiu ter se exaltado, mas disse que o fez apenas por se sentir ameaçado pela estudante.

De acordo com a estudante, o professor discursou sobre a recente recusa de Cuba de aceitar os termos do presidente eleito Jair Bolsonaro para se manter no programa Mais Médicos e percebeu o descontentamento da jovem em suas expressões faciais. Ele teria começado então a fazer declarações ofensivas, como insinuar que ela “era bem vestida” e “mimada”. Os demais estudantes teriam então incentivado o professor a continuar com a cena, ironizando a colega.

Ela teria respondido para o professor ter cuidado e ele teria dito que não era 2019 ainda e ela não poderia gravá-lo. Manifestando os sinais da crise epilética, ela saiu então da sala, ao que o professor lhe disse “vá em paz”. O professor alega que se sentiu ameaçado e que achou estar sendo gravado, bem como reforçou pensar que “os filhos da elite branca” formados em medicina não substituirão os médicos cubanos. Nicole ainda avalia se transformará o caso em um processo judicial, mas enfatizou que Denny é um bom professor. Confira o relato dela em vídeo:


PUBLICIDADE



★ ★ ★

Nós criamos o Boletim da Liberdade porque acreditamos em um jornalismo sério, independente e de viés liberal. Você pode ajudar esse projeto.

Para que possamos manter e melhorar nossa missão de organizar, divulgar e apurar informações de interesse público, tornando-as acessíveis para todos, precisamos da sua ajuda. Se você é um entusiasta do Boletim, colabore fazendo uma assinatura. Com menos de R$ 10 ao mês, você ajuda a viabilizar um jornalismo mais plural e democrático no Brasil e tem acesso a conteúdos exclusivos.

Apoie a mídia independente: curta nossa página.


Comentários


Receba nosso conteúdo por e-mail



Leia também
error: Não é permitida a reprodução do conteúdo sem prévia autorização.