fbpx
PUBLICIDADE


O STF ‘quer destruir’ o ‘Escola Sem Partido’, denuncia deputada

Deputada federal eleita pelo PRP e apoiadora de Jair Bolsonaro, Kicis alerta seguidores que destino do ‘Escola Sem Partido’ pode ser igual ao do ‘voto impresso’, que caiu no STF

- Publicado no dia
Bia Kicis e Jair Bolsonaro (Foto: Reprodução/Facebook)

A deputada federal eleita Bia Kicis (PRP-DF), que deve migrar para o PSL nos próximos meses, denunciou em entrevista ao portal DCI que o Supremo Tribunal Federal quer “destruir” o projeto “Escola Sem Partido”. [1][2]

Ativista política que ganhou projeção nas manifestações contra o governo PT, Kicis fundamentou seu argumento relembrando o que ocorreu com a lei do voto impresso, proposta por Bolsonaro, aprovada no Congresso e, mesmo assim, barrada pela mais alta corte do país.


PUBLICIDADE



O Caso

O Supremo Tribunal Federal deve julgar no final de novembro uma Ação Direta de Inconstitucionalidade que foi impetrada na corte contra lei inspirada no “Escola Sem Partido” aprovada em Alagoas. Segundo Kicis, ministros do Supremo já têm indicado posicionamento em relação ao tema:

“Um ministro disse que polícia só entra na universidade se for pra estudar. Na época das eleições, a ministra Cármen Lúcia concedeu uma liminar [contra decisão do TSE], permitido atos públicos partidários ocorridos dentro das universidades. Quer dizer que agora pode ter atividade política partidária? Isso é contra lei. Isso é ilegal. É contra a Constituição. Mas o Supremo está fazendo isso. O discurso é cheio de palavras bonitas. Mas palavras vazias”, disse a deputada eleita.

★ ★ ★

Nós criamos o Boletim da Liberdade porque acreditamos em um jornalismo sério, independente e de viés liberal. Você pode ajudar esse projeto.

Para que possamos manter e melhorar nossa missão de organizar, divulgar e apurar informações de interesse público, tornando-as acessíveis para todos, precisamos da sua ajuda. Se você é um entusiasta do Boletim, colabore fazendo uma assinatura. Com menos de R$ 10 ao mês, você ajuda a viabilizar um jornalismo mais plural e democrático no Brasil e tem acesso a conteúdos exclusivos.

Apoie a mídia independente: curta nossa página.


Comentários


Receba nosso conteúdo por e-mail



Leia também
error: Não é permitida a reprodução do conteúdo sem prévia autorização.