fbpx
PUBLICIDADE

Olavo de Carvalho diz que aceitaria apenas um cargo no governo Bolsonaro

Para o filósofo, jornalista e professor Olavo de Carvalho, o cargo que pretende poderia trazer dinheiro para o Brasil com autonomia, enquanto que ministérios exigiriam capacidade administrativa que ele não tem
Olavo de Carvalho diz que aceitaria ser embaixador nos EUA (Foto: Reprodução/YouTube)
Olavo de Carvalho diz que aceitaria ser embaixador nos EUA (Foto: Reprodução/YouTube)
PUBLICIDADE

O professor e jornalista Olavo de Carvalho, um dos principais influenciadores da nova direita brasileira, afirmou em vídeo que só aceitaria um cargo no governo Bolsonaro: o de embaixador do Brasil nos Estados Unidos. [1]

PUBLICIDADE

“Não estou me oferecendo, porque talvez haja pessoas mais qualificadas. É uma responsabilidade que eu sei cumprir e que tem a possibilidade de se fazer algo real para o Brasil sem ter que passar pelo filtro da existência petista. É o cargo de embaixador nos Estados Unidos. O Brasil precisa de dinheiro e 97% do nosso PIB está comprometido. Como embaixador, eu saberia fazer dinheiro”, afirmou Carvalho.

Em seguida, o intelectual garantiu que ganhou “prática com o comércio internacional” desde o tempo que teria residido na Romênia, quando teria convivido com “altos funcionários brasileiros”.

PUBLICIDADE

Embaixada do Brasil em Washington, atualmente ocupada pelo advogado e ex-ministro Sergio Silva do Amaral (Foto: Wikimedia)

No vídeo, Carvalho também elogia a autonomia de um embaixador:

“Um embaixador em outro país tem autoridade total sobre seus conterrâneos ali. Ele é um ‘reizinho’, sem precisar dar satisfação ao PT. Ele conversa direto com o presidente e com o Ministro das Relações Exteriores. É um cargo que dá pra fazer alguma coisa. Trazer dinheiro para o Brasil é algo que eu adoraria fazer. É o único cargo que eu aceitaria, embora seria uma chatice”, disse.

Atualmente com 71 anos de idade, Carvalho também explicou por que não aceitaria ser ministro, assumindo pastas como a Educação e a Cultura.

“Eu conheço os meus limites. Eu não tenho grande capacidade administrativa de nada. Eu sei o que tenho que fazer, mas não consigo ficar repetindo todos os dias. Seria péssimo administrador de qualquer coisa, embora eu saiba planejar. Conheço gente muito mais qualificada, como Ricardo Velez Rodrigues”, afirmou, em referência ao colunista do Instituto Liberal, que já afirmou estar “disponível no lugar que o presidente indicar”.

PUBLICIDADE

Leia também:  Ministério da Economia tem nova baixas após crise do teto de gastos
Compartilhe essa notícia:

Leu até aqui? Siga nas redes!

MARCAS APOIADORAS

Podcast

O Boletim da Liberdade tem um propósito: reportar diariamente fatos sobre a liberdade no Brasil e no mundo…

mas nós precisamos da sua ajuda para continuar esse trabalho.

Se você consome e aprecia nosso conteúdo, considere fazer uma assinatura. Com a sua contribuição mensal, você ajuda a manter o site no ar (os custos são realmente altos) e ainda possibilita o nosso crescimento. Além disso, recebe benefícios exclusivos. Temos vários projetos na mesa que só serão viabilizados com maior quantidade de assinantes. Saiba mais e assine agora mesmo.

Colunas mais recentes

Assine o Boletim da Liberdade e receba todas as segundas-feiras a coluna Panorama

Are you sure want to unlock this post?
Unlock left : 0
Você tem certeza que deseja cancelar sua assinatura?