fbpx
PUBLICIDADE

Receita de sindicatos cai 86% com fim do imposto sindical

Os sindicatos estão tentando driblar a extinção do imposto, mas sem sucesso; a contribuição obrigatória representava 60% das suas receitas
(Foto: Reprodução / Folha)
(Foto: Reprodução / Folha)

A extinção da contribuição sindical obrigatória na Reforma Trabalhista de Michel Temer, graças a iniciativa do hoje deputado eleito Paulo Eduardo Martins (PSC-PR), já mostrou a que veio. De janeiro a setembro deste ano, foi registrada a queda substancial de 86% na arrecadação. [1]

Os cerca de 16 mil sindicatos brasileiros até não reduziram em quantidade, mas tiveram, no mesmo período do ano passado, uma receita de R$ 1,98 bilhão. Já em 2018, os dados recentemente divulgados atestam que o valor não excedeu R$ 276 mil.

Segundo o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada, o imposto representava 60% dos recursos dos sindicatos. Algumas das organizações sindicais têm tentando persuadir a Justiça a admitir que estabeleçam, em convenções específicas de cada categoria profissional, uma espécie de substituição do imposto, que também seria obrigatória, porém sem sucesso.





Compartilhe essa notícia:




O Boletim da Liberdade tem um propósito: reportar diariamente fatos sobre a liberdade no Brasil e no mundo…

mas nós precisamos da sua ajuda para continuar esse trabalho.

➡ Se você consome e aprecia nosso conteúdo, considere fazer uma assinatura. Com a sua contribuição mensal, você ajuda a manter o site no ar (os custos são realmente altos) e ainda possibilita o nosso crescimento. Além disso, recebe benefícios exclusivos. Temos vários projetos na mesa que só serão viabilizados com maior quantidade de assinantes. Saiba mais e assine agora mesmo.

➡ Siga e interaja em nossas redes sociais (Facebook, Twitter e Instagram), inscreva-se em nossa newsletter gratuita semanal e entre em nosso grupo do WhatsApp para recebimento de conteúdos.

Colunas mais recentes

Assine o Boletim da Liberdade e receba todas as segundas-feiras a coluna Panorama