fbpx
PUBLICIDADE


Incêndio em museu da UFRJ é o terceiro em gestão de fundador do PSOL

Houve incêndios no alojamento dos estudantes e na própria reitoria; quatro anos antes da gestão, o campus da Praia Vermelha também sofreu com as chamas

- Publicado no dia
Roberto Leher (Foto: Reprodução / Gazeta do Povo)

O trágico incêndio que consumiu o Museu Nacional na Quinta da Boa Vista, no Rio de Janeiro, neste domingo (2), destruindo duzentos anos de história recém-completados e a maior parte de um acervo de cerca de 20 milhões de itens, não está sozinho nos últimos anos. É o terceiro nas instalações mantidas pela Universidade Federal do Rio de Janeiro na gestão de Roberto Leher.

Em outubro de 2016, um incêndio aconteceu nas dependências da própria reitoria, atingindo o oitavo andar do prédio, que fica na Ilha do Fundão, Zona Norte do Rio. No ano seguinte, em agosto, o alojamento dos estudantes, no mesmo campus, também foi afetado pelo fogo, deixando quatro feridos. Segundo a própria UFRJ, a parte atingida “nunca passou por uma reforma de estrutura”.  [1] [2]

O incidente similar mais lembrado é o incêndio no prédio histórico do campus da Praia Vermelha, conhecido como Palácio Universitário, afetando a capela histórica do local.  Porém, isso aconteceu quatro anos antes da posse de Leher, em 2011, quando o reitor era o economista Aloísio Teixeira, cuja gestão foi marcada pelo alinhamento ao Ministério da Educação durante os governos do ex-presidente Lula.


PUBLICIDADE



O reitor

Roberto Leher se graduou em Biologia pela UFRJ em 1984, tem mestrado em Educação pela Universidade Federal Fluminense e doutorado em Educação pela Universidade de São Paulo. Premiado em 2014 com a medalha Pedro Ernesto, ele já foi presidente da Seção Sindical dos Docentes da UFRJ de 1997 a 1999 e do sindicato nacional dos professores de instituições de ensino superior, o Andes-SN, entre 2000 e 2002.

O professor e ex-líder sindical é também um dos fundadores do Partido Socialismo e Liberdade (PSOL). Em janeiro de 2017, a Procuradoria da República entrou com uma ação contra ele e a presidente do Centro Acadêmico de Engenharia da UFRJ, Thais Rachel George Zacharia, por prática de improbidade administrativa pela promoção de atos de natureza político-partidária dentro da universidade. [3]

O motivo da ação eram atos contra o impeachment de Dilma Rousseff: o encontro UFRJ em Defesa dos Direitos Sociais, Políticos e Democráticos, em 29 de março de 2016, e a ida da própria ex-presidente à universidade, já afastada do cargo. Os acusados foram absolvidos em maio de 2017. [4]

★ ★ ★

Nós criamos o Boletim da Liberdade porque acreditamos em um jornalismo sério, independente e de viés liberal. Você pode ajudar esse projeto.

Para que possamos manter e melhorar nossa missão de organizar, divulgar e apurar informações de interesse público, tornando-as acessíveis para todos, precisamos da sua ajuda. Se você é um entusiasta do Boletim, colabore fazendo uma assinatura. Com menos de R$ 10 ao mês, você ajuda a viabilizar um jornalismo mais plural e democrático no Brasil e tem acesso a conteúdos exclusivos.

Apoie a mídia independente: curta nossa página.


Comentários


Receba nosso conteúdo por e-mail



Leia também
error: Não é permitida a reprodução do conteúdo sem prévia autorização.