fbpx
PUBLICIDADE

Números de candidatos do NOVO são banidos no WhatsApp

Dois candidatos da legenda tiveram suas contas banidas no aplicativo sob a alegação de que violaram os Termos de Serviço; eles acreditam que não cometeram nenhuma irregularidade
(Foto: Reprodução / Nexo Jornal)
(Foto: Reprodução / Nexo Jornal)
PUBLICIDADE

Um novo capítulo da batalha de liberais e conservadores contra as dificuldades impostas pelas redes sociais e aplicativos foi matéria da Folha nesta terça-feira (21). Desta vez, o protagonista foi o Partido Novo e o palco, o WhatsApp. [1]

PUBLICIDADE

De acordo com a matéria, dois candidatos da legenda tiveram suas listas de transmissão apagadas e seus números banidos do aplicativo, faltando apenas dois dias para o início da campanha política oficial. Os candidatos são Vinicius Poit, postulante ao cargo de deputado federal por São Paulo, e Daniel José, que tenta o cargo legislativo estadual.

Os dois receberam uma mensagem alertando que seus números de telefone estavam impedidos de usar o aplicativo. Contatando o WhatsApp, receberam a resposta de que seus conteúdos foram denunciados por muitos usuários como spam. “Daniel e Vinicius possuem páginas do Facebook com milhares de seguidores e sempre divulgam o WhatsApp de campanha lá. As pessoas entravam em contato e nos forneciam seus nomes e números”, diz Matheus Hector, um dos coordenadores de campanha dos candidatos.

PUBLICIDADE

Leia também:  NOVO enfrenta debandada de filiados, aponta jornal

Os candidatos acreditam que foram vítimas de uma censura provocada por denúncias em massa orquestradas por adversários e que não descumpriram qualquer regra. “Sempre fui correto, sempre lutei e continuarei lutando para fazer uma campanha limpa, justa e sem usar o seu dinheiro. Me recuso a comprar cabos eleitorais e fazer a velha política. Conquistarei meu eleitor um a um, olho no olho”, frisou Daniel José em sua página no Facebook. Confira o comentário postado por ele:


A troca de mensagens

O Boletim teve acesso ao e-mail enviado por Vincíus Poit perguntando ao WhatsApp sobre os motivos de seu banimento. No texto, ele argumenta que todos os seus contatos são convidados a enviar uma mensagem para receber os vídeos diretamente por celular e conversar com o candidato, sendo quase 30 mil contatos cadastrados manualmente. Ele perguntou, então, descrevendo minuciosamente a operação do envio das mensagens por listas de transmissão, se efetivamente violou alguma política do WhatsApp. “Gostaria de saber para alterar procedimentos”, pontuou.

PUBLICIDADE

Leia também:  A reação nas redes sociais dos deputados do NOVO às falas de Bolsonaro

O WhatsApp respondeu que as atividades da conta de Poit violaram os Termos de Serviço. “Banimos contas caso tenhamos motivos para acreditar que a atividade nelas tenha violado nossos Termos de Serviço”. Finalizaram dizendo que, se o candidato achasse que sua conta foi banida por engano, deveria responder ao e-mail. A resposta tem características de uma mensagem automática.

Compartilhe essa notícia:

Leu até aqui? Siga nas redes!

MARCAS APOIADORAS

Podcast

O Boletim da Liberdade tem um propósito: reportar diariamente fatos sobre a liberdade no Brasil e no mundo…

mas nós precisamos da sua ajuda para continuar esse trabalho.

Se você consome e aprecia nosso conteúdo, considere fazer uma assinatura. Com a sua contribuição mensal, você ajuda a manter o site no ar (os custos são realmente altos) e ainda possibilita o nosso crescimento. Além disso, recebe benefícios exclusivos. Temos vários projetos na mesa que só serão viabilizados com maior quantidade de assinantes. Saiba mais e assine agora mesmo.

Colunas mais recentes

Assine o Boletim da Liberdade e receba todas as segundas-feiras a coluna Panorama

Are you sure want to unlock this post?
Unlock left : 0
Você tem certeza que deseja cancelar sua assinatura?