fbpx
PUBLICIDADE

Universidade baiana cria cotas para transexuais e transgêneros

A instituição avisou que criará novas vagas para acomodar o contingente de novos cotistas e que decisão não interferirá na disputa das vagas já existentes
(Foto: Reprodução / Portal Tucumã)
(Foto: Reprodução / Portal Tucumã)

A Universidade do Estado da Bahia anunciou no último dia 25 que decidiu adotar, a partir de 2019, um sistema de cotas para transexuais, travestis e transgêneros, além de quilombolas e pessoas com deficiência. Entretanto, segundo a instituição, isso será feito mediante a criação de novas vagas e não mudaria a concorrência para os que não são cotistas. [1] [2]

Os indígenas já tem 5% de vagas extras e a universidade já destina cota de 40% para negros e pardos. Todos os contemplados, porém, precisarão ainda ter estudado em escola pública e possuir renda familiar mensal de até quatro salários mínimos.





A mesma universidade ainda está sediando o 3º Encontro de Estudantes Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais da União Nacional dos Estudantes (UNE) entre os dias 27 e 29 de julho. O tema abordado é “Nossas Vidas importam: mais democracia e um Brasil livre de LGBTfobia”.

A iniciativa da universidade não é inédita no Brasil. Pelo menos uma outra instituição, a Universidade Federal do Cariri, no Ceará, havia iniciado no fim do ano passado tratativas e procedimentos para adotar a mesma medida. [3]





O Boletim da Liberdade tem um propósito: reportar diariamente fatos sobre a liberdade no Brasil e no mundo…

mas nós precisamos da sua ajuda para continuar esse trabalho.

➡ Se você consome e aprecia nosso conteúdo, considere fazer uma assinatura. Com a sua contribuição mensal, você ajuda a manter o site no ar (os custos são realmente altos) e ainda possibilita o nosso crescimento. Além disso, recebe benefícios exclusivos. Temos vários projetos na mesa que só serão viabilizados com maior quantidade de assinantes. Saiba mais e assine agora mesmo.

➡ Siga e interaja em nossas redes sociais (Facebook, Twitter e Instagram), inscreva-se em nossa newsletter gratuita semanal e entre em nosso grupo do WhatsApp para recebimento de conteúdos.

Colunas mais recentes

Siga o Boletim

Leia também